domingo, 25 de agosto de 2013

Brasileiro cria "lâmpada" com garrafa pet e consegue dar luz de graça a milhares de pessoas


Imagem: Reprodução/RS
Morador de Uberaba (MG) desde 1980, o mecânico natural de Itajaí (SC), Alfredo Moser, 61 anos, inventou em 2002 a "luz engarrafada". O produto, criado para economizar energia e preservar o planeta, já beneficia milhares de pessoas pelo mundo. A "lâmpada de Moser" está em uso em pelo menos 15 países, entre eles Filipinas, Bangladesh, Índia, México, Colômbia.


Mesmo com todo esse sucesso, Moser, que concluiu apenas o ensino fundamental, permanece vivendo com extrema simplicidade ao lado da esposa Carmelinda, com quem é casado há 35 anos, e do filho Samuel, de 27 anos. Sua consciência ecológica e sua postura solidária impressionam.
"Nunca pensei em ficar rico, mas sim em ajudar a população, pois a energia elétrica é muito cara, e em contribuir para a preservação do planeta," diz. Dependendo da força do calor, segundo mediu um engenheiro da Cemig, a "lâmpada de Moser" é de 40 a 60 watts.
Imagem: Reprodução/RS
Além de usar sua lâmpada em casa, Moser já a instalou em casas de vizinhos e até em um supermercado do bairro. Ademar Bernardes Júnior, dono do estabelecimento, quer ampliar o uso da iluminação, que atualmente é restrita ao depósito, também para outros ambientes do supermercado.

"Eu gostaria que as autoridades políticas apoiassem a iniciativa que vem ao encontro do conceito de sustentabilidade", diz Bernardes Júnior.
A "lâmpada de Moser" já é usada em áreas mais pobres em estufa para a produção de alimentos. Há casos em que a economia com energia, de aproximadamente 30%, permitiu que a família carente comprasse o enxoval do bebê. E ele revela que já consegue colocar sua lâmpada até em casas com laje, utilizando baldes de plástico.
No Brasil, além de em Uberaba, sua lâmpada também é usada em Santa Catarina, instalada por um primo; em Osasco (SP), no Núcleo de Educação Ambiental, no Parque Chico Mendes; em Brasília e no Piauí.
Investidor.  O sonho de Moser é que uma empresa se interesse pela sua invenção e possa investir em tecnologia para que ela tenha um formato mais decorativo, ilumine mais e também à noite. É que a lâmpada inventada por ele, usando garrafa pet com água e duas tampinhas de água sanitária, instalada no telhado com massa plástica, depende da luz do sol. "Eu já sei como fazer ela clarear à noite, mas preciso de apoio financeiro."
Moser já procurou políticos das esferas municipal, estadual e federal, mas ainda não conseguiu apoio para registrar o seu invento nos órgãos competentes. "O governo deveria ter um órgão de acesso fácil pelos inventores para patentear seus produtos, até porque cada invento movimenta diversos segmentos da economia", observa. Moser mostra uma lista de vários locais que já o instruíram a procurar, mas ele não possui recursos financeiros para cobrir os gastos com viagens. "Se gasta muito dinheiro para ir ao espaço, por exemplo, e coisas simples assim dificilmente têm respaldo", lamenta.
Nas Filipinas, o diretor executivo da Fundação MyShelter, Angelo Illac Diaz, segundo ele, conseguiu apoio e começou a fazer as lâmpadas em 2011, que já iluminam 140 mil casas.
"Isso é o que me deixa emocionado. Ver a alegria de pessoas que vivem na pobreza terem luz em casa sem custo nenhum", enfatiza. A luz engarrafada representa uma revolução, pois é limpa, eficiente e sem custo. Ele se emociona ao dizer que deixará um legado importante para a humanidade, pois esta será a luz do futuro, já que daqui a milhões de anos a água vai acabar e a "lâmpada de Moser" ilumina com energia solar. Seu projeto ganhou projeção nacional com a aprovação de engenheiros de centrais elétricas.
Tudo começou quando Moser trabalhava em Brasília, na década de 70. Como as quedas de aviões eram constantes, ele se preocupou em criar formas de sinalizar a ocorrência de acidentes. O chefe dele disse que se fosse necessário bastaria usar uma garrafa de vidro com água que refletiria o sol e pegaria fogo no capim. A fumaça sinalizaria e ele guardou a ideia sempre pensando em aperfeiçoá-la, mas sem o uso de vidro. Por isso optou pela garrafa pet.
Filho de pai de origem italiana e mãe de origem alemã, Moser foi trabalhador braçal para ajudar os pais a arcar com as despesas para manter os seus 11 irmãos na escola. A maior alegria de Moser é que, antes de seus pais morrerem, estavam orgulhosos da invenção do filho. 
Rose Dutra
O Estado de S.Paulo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...