terça-feira, 22 de abril de 2014

Jornalista perde a paciência com 'enrolação' de políticos e desabafa ao vivo; assista ao vídeo


Imagem: Reprodução/SBT
A figura do “âncora'' de telejornal é motivo de alguma confusão no Brasil. Qual é exatamente o seu papel? Neila Medeiros apresenta o jornal “SBT Brasília”.  Um exemplo do tipo de intervenção que um âncora pode fazer foi visto recentemente e se transformou em hit na internet.  Ocorreu após o noticiário que ela apresenta exibir o típico blablablá de um homem público diante do microfone.


Pressionado por uma repórter do SBT, o secretário de Obras de Luiziânia se enrolou todo ao explicar o fiasco nas obras de prevenção a enchentes da cidade. “Criticar é fácil, agora fazer as coisas no período de chuvas é difícil'', ele disse. Um dos culpados, acrescentou o secretário, é a imprensa. “Ao invés de ajudar, ela não deixa a gente trabalhar. Eu tô desde ontem só no telefone e dando entrevista (…) e isso aí atrapalha o serviço da gente”.

Veja também:
Jornalista denuncia e humilha deputado ao vivo; assista

Ao fim do VT, Neila não consegue esconder sua revolta e desabafa ao vivo: “Gente, me desculpa, mas dizer que a imprensa atrapalha? Esse buraco onde caiu o caminhão, que vocês viram na matéria, foi anunciado por nós. (…) Não fizeram por culpa da imprensa? Como assim?” E disse ainda: “Por que não fez na época da estiagem? Já ouviu falar em prevenção?”

Para quem só vê os noticiários da Rede Globo, a intervenção da âncora do “SBT Brasília” chega a ser chocante. Orientados a parecer mais “humanos”, os principais apresentadores da emissora carioca estão tentando fugir do figurino engessado de outros tempos, mas as suas intervenções são de outro tipo. Eles têm chamado mais atenção pelas gracinhas que protagonizam do que por suas opiniões.

Chico Pinheiro, fã de samba e futebol, assumiu o lugar de Renato Machado, especialista em vinhos, no comando “Bom Dia Brasil”, e passou o final do ano lamentando o desempenho das equipes mineiras no Brasileirão. Cesar Tralli, agora no comando do “SP TV”, foi ao camarim de Zezé di Camargo e Luciano falar sobre as botas novas dos cantores e chamou o mais novo de “Lu”.

Sandra Annenberg, no “Hoje”, transformou uma gafe (“Que deselegante!”) em bordão. Seu companheiro, Evaristo Costa, fez sucesso com uma piada de criança (“gosta de mamão, Sandra?)”. Já William Bonner e sua companheira de bancada, primeiro Fátima Bernardes, depois Patrícia Poeta, se especializaram em ler notícias trocando olhares.

Veja também:
Jornalista perde a paciência e humilha defensor de Dilma ao vivo

Diferentemente da âncora do SBT, todos estes jornalistas dão a impressão de não ter o direito de dizer o que pensam enquanto apresentam seus telejornais. São chamados de “âncoras”, mas na prática são simpáticos e, agora, divertidos leitores de notícias.

Bonner, Sandra, Evaristo & Cia podem fazer gracinhas ao vivo, mas evitam (ou são impedidos de) opinar, elogiar, manifestar indignação com o noticiário ou se posicionar diante de fatos que merecem mais do que um relato básico. Faz muita diferença, como você pode ver, na intervenção da âncora do SBT. É só um buraco de rua e um secretário sem noção, mas faz toda a diferença.

Mauricio Stycer
Blogosfera
Editado por Política na Rede
01/12
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...