quarta-feira, 23 de abril de 2014

Votação do Marco Civil da Internet no Senado quase termina em pancadaria; veja o vídeo


Imagem: Reprodução/Youtube
A aprovação do Marco Civil da Internet no Senado Federal foi marcada nesta terça-feira (22) por um grande bate-boca entre os senadores Lindbergh Farias (PT) e Aécio Neves (PSDB), ambos pré-candidatos das eleições de outubro. Um ao governo do Rio, outro à Presidência da República. 


O bate-boca esquentou durante a deliberação sobre a inversão de pauta e votação ou não do projeto em regime de urgência, conforme queriam os movimentos sociais que ajudaram a formatar o projeto e estavam presentes nas galerias.

O senador tucano pediu a palavra para defender a prorrogação das discussões por mais um mês. Ele sugeriu que Lindbergh não havia participado dos debates do projeto na casa e "mais uma vez chegava atrasado nas discussões".


“Mais uma vez o senador Lindbergh chega atrasado nas discussões e quer opinar. Mas quero reafirmar, não vejo em vossa excelência, senador Lindberg, autoridade política ou moral para me dar qualquer lição de moral. Vossa excelência chega atrasado, não sabe sequer o que está sendo votado (…) Vossa excelência quer chegar e fazer graça numa casa que deveria ter respeito de vossa excelência”, disse Aécio Neves.

Ofendido com as palavras do colega em plenário, Lindberg subiu o tom e rebateu o tucano, sendo interrompido pelo senador Mário Couto (PSDB-PA), que com o dedo em riste iniciou várias ameaças ao senador fluminense: 

“Não vejo em vossa excelência autoridade para falar em trabalho nesta casa. Compare as minhas presenças e o meu trabalho nesta casa com o de vossa excelência. Não me venha passar pito porque vossa excelência não é dos mais assíduos”, declarou aos berros o petista. 

“Cuide dos seus problemas e dos seus processos. Não venha fazer qualquer ataque a mim”, revidou o senador de Minas Gerais. 

Por conta do bate-boca, a sessão foi interrompida por alguns minutos.

Apesar dos gritos e berros, o governo aprovou a inversão de pauta por 46 votos contra 15 da oposição.

Na seqüência, emplacou a votação em plenário do Marco Civil da Internet, que foi à sanção da presidente Dilma após vitória do governo por ampla maioria, exatos 28 dias após o mesmo projeto ser aprovado na Câmara dos Deputados.


Leia também:

Rodrigo Rodrigues
Terra Magazine
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...