sexta-feira, 30 de maio de 2014

EUA desaconselham preservativos brasileiros e primeiro andar em hotel


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Recepcionistas de hotéis nas cidades-sede podem se preparar para ouvir dos hóspedes americanos um pedido pouco comum: evitar colocá-los em quartos do primeiro andar, por razões de segurança.

O conselho foi dado pelo governo dos EUA, que lançou um guia on-line com orientações a seus cidadãos que irão ao Brasil durante a Copa.


"Um quarto no primeiro andar pode oferecer acesso mais fácil a criminosos", diz o texto, preparado pelo CDC (Centro para Prevenção e Controle de Doenças), do Departamento de Saúde. "Mantenha sempre as portas do hotel trancadas e guarde pertences de valor em áreas seguras."

Leia também:

Outras dicas são só usar preservativos comprados nos EUA – mesmo que, "em meio à comemoração, pessoas incentivem o viajante a fazer sexo sem segurança" – e não nadar em rios e lagos, para evitar esquistossomose.

Os EUA foram os responsáveis pelo maior número de ingressos comprados fora do Brasil: mais de 190 mil. Não é possível saber, contudo, quantos foram adquiridos por americanos. Segundo o Itamaraty, 19.620 vistos específicos para a Copa –de graça, mais rápido e válido por 90 dias– foram emitidos nos EUA entre julho de 2013 e 22 deste mês.

O guia também lembra o cidadão americano de orientações emitidas pelo Departamento de Estado por ocasião das manifestações. "Se souber de protestos nas proximidades, permaneça dentro de um local com portas e janelas fechadas", diz o texto.

Em questões de segurança, o departamento orienta a ter cuidado com sequestro-relâmpago, crimes de rua e furtos em lugares públicos como aeroportos, recepção de hotéis e estações de ônibus.

O governo diz que a polícia "pode usar gás lacrimogêneo e unidades montadas para dispersar os manifestantes".

"A taxa de homicídios é quatro vezes maior que a dos EUA, e a de outros crimes é tão alta quanto", diz o governo.

Para o Ministério do Turismo brasileiro, as recomendações a turistas "fazem parte do procedimento rotineiro de consulados e embaixadas".

"O Ministério do Turismo e a Embratur entendem que não há singularização em relação ao Brasil", responderam os dois órgãos, em nota.

As orientações do CDC para a Copa na África do Sul, no entanto, foram mais amenas. Apesar da alta incidência de HIV no país, o governo dos EUA só recomendou "evitar comportamentos arriscados" em relação a sexo.

Procurados, CDC e Departamento de Estado não se pronunciaram.

Isabel Fleck
Folha de S. Paulo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...