quarta-feira, 23 de julho de 2014

Exército de Israel usa redes sociais para divulgar ações e provocar


Imagem: Reprodução / Twitter
Como toda vez em que há agitação no Oriente Médio, a propaganda tem sido forte. E agora as redes sociais constituem a ágora na qual ela se expressa sem limites.

Desde o início do conflito, o Exército israelense tem mostrado que domina à perfeição essas novas ferramentas de comunicação, pelas quais ele presta contas de suas ações e as justifica.


Assim, enquanto houve muitas manifestações pró-Palestina nos últimos dias na Europa, sobretudo no Reino Unido, o Tsahal --nome das Forças de Defesa Israelenses-- postou no Twitter uma fotomontagem mostrando o palácio de Westminster (na Inglaterra) sendo atingido por foguetes.

O palácio de Westminster, atualmente chamado de "casa do Parlamento", é o lugar onde se reúnem a Câmara dos Comuns e a Câmara dos Lordes. A fotomontagem é acompanhada da seguinte mensagem, traduzida para diversas línguas: "Várias interceptações de foguetes acima de Tel Aviv. E se sua cidade fosse ameaçada por foguetes?"

Leia também: 

Foi provavelmente uma resposta à grande mobilização de apoio à Palestina no Reino Unido. Segundo os organizadores da manifestação, "dezenas de milhares" de pessoas protestaram no sábado (20) em Londres, pedindo pelo fim dos bombardeios e do bloqueio sobre Gaza.

Os manifestantes brandiam uma série de cartazes, nos quais se podia se ler, por exemplo: "Parem com os ataques israelenses sobre Gaza", "Libertem a Palestina", "Parem com o massacre em Gaza". Várias bandeiras palestinas, com as cores vermelho, branco, verde e preto, podiam ser vistas entre a multidão. Os manifestantes gritavam: "Libertem, libertem a Palestina", "David Cameron, que vergonha", "Gaza, Gaza, não chore, não deixaremos você morrer".

Já o primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse ter conversado com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, sobre a situação em Gaza. Segundo uma porta-voz de Downing Street, "os dois chefes de Estado reiteraram seu apoio ao direito de Israel de tomar medidas proporcionais para se defender dos tiros de foguetes provenientes de Gaza".

Para o Exército israelense, esses novos modos de comunicação são um meio de contornar a mídia tradicional. Ele também tem uma conta no YouTube, bastante acessada, onde vários vídeos dessas intervenções são postados.

Mas o outro lado não fica para trás, uma vez que o Hamas também tem uma conta no Twitter e um canal no YouTube. No entanto, o Twitter decidiu fechar a conta do braço armado do Hamas, as brigadas Ezzedine al-Qassam, há alguns dias.

Le Monde via UOL
Editado por Folha Política
Leia mais notícias do poder e da sociedade em Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...