sábado, 20 de junho de 2015

Operação Lava Jato chega à ‘joia da coroa’ e se aproxima de Lula


Imagem: Pilar Olivares / Reuters
Mal voltou de férias dos Estados Unidos, o juiz federal Sergio Moro retomou sua rotina de encarcerar figurões brasileiros e movimentou novamente o noticiário político e policial brasileiro. Em apenas uma canetada ele atingiu a “joia da coroa” das empreiteiras brasileiras, a Odebrecht, e pode ter aproximado os investigadores do alto escalão político e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em 52 páginas, o magistrado de Curitiba mandou prender 12 pessoas, entre elas o presidente da construtora, Marcelo Odebrecht, e seu diretor de relações institucionais, Alexandrino Alencar. Ambos eram próximos ao líder petista. O primeiro jamais negou isso. Foi um perene doador das campanhas eleitorais petistas (e de outras legendas) e um declarado entusiasta da atual política externa. O segundo, foi o cicerone e contratante de Lula em palestras e viagens internacionais.

Desde novembro do ano passado, quando quase 20 empreiteiros foram detidos na operação Lava Jato, os investigadores esperavam pelo momento em que teriam no rol dos implicados algum executivo da Odebrecht. Chegaram a quatro deles depois de três réus confessos delatarem e apresentarem supostas provas de seu envolvimento. Até mesmo os chefões da empreiteira diziam que a “falsa tese de cartel” não vinga caso a maior das empreiteiras não estivesse envolvida no esquema criminoso.

Leia também: 
Ou seja, já esperavam pelo momento em que a Polícia Federal invadiria suas casas numa manhã de sexta-feira e os retiraria, se necessário, algemados de seus quartos. No Brasil, ainda é praxe fazer grandes e midiáticas operações no final de semana para dificultar a liberdade imediata dos investigados, porque no sábado e domingo a Justiça só funciona em sistema de plantão e atua, prioritariamente, em casos urgentes. A tão temida sexta-feira chegou, mas não foi preciso algemar ninguém, já que todos acompanharam os policiais sem oferecer resistência.

Conforme a decisão de Moro, Marcelo Odebrecht foi preso principalmente por duas razões. Por gerenciar uma empresa que, segundo o juiz, há ao menos 11 anos corrompe políticos e por ter sido formalmente avisado por um de seus funcionários de que era necessário pagar um sobrepreço pela exploração de sondas para a Petrobras.

“Considerando a duração do esquema criminoso, pelo menos desde 2004, a dimensão bilionária dos contratos obtidos com os crimes junto a Petrobras e o valor milionário das propinas pagas aos dirigentes da Petrobras, parece inviável que ele fosse desconhecido dos Presidentes das duas empreiteiras, Marcelo Bahia Odebrecht e Otávio Marques de Azevedo”, afirma o magistrado, referindo-se também ao presidente da segunda maior empreiteira do país, também preso neta sexta-feira.

Já Alencar, é suspeito de pagar propina a Paulo Roberto Costa (ex-diretor da petroleira e delator-chave na Lava Jato) e ao Partido Progressista. Segundo a apuração dos procuradores, ele teria depositado ao menos 5 milhões de reais em uma conta de Costa na Suíça.

As viagens de Lula

Alexandrino Alencar, segundo investigadores, pode ser considerado um dos elos da maior empreiteira brasileira com políticos de alto escalão. Diretor de relações institucionais da empreiteira, Alencar já pagou viagens a dois ex-presidentes brasileiros, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB), e ao ex-premiê espanhol Felipe González. Foi também membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social do Rio Grande do Sul durante a gestão de Tarso Genro (PT).

Leia também: 

A relação mais recente e também mais intensa foi com Lula, que foi para Cuba, República Dominicana e Estados Unidos em um jatinho bancado pela Odebrecht em 2013. A viagem custou 435.000 reais. O caso foi revelado pelo jornal O Globo. Na ocasião, Lula participou de um evento da UNESCO, o setor da Organização das Nações Unidas (ONU) que atua na área de educação. A aproximação entre Lula e Alencar começou porque o diretor foi um dos incentivadores da construção o Itaquerão, o estádio do Corinthians feito pela Odebrecht para a Copa do Mundo de 2014. Lula se empenhou, enquanto líder político e corintiano fanático, para que o time erguesse seu estádio com isenção de impostos. Além disso, em 2011, a pedido de Lula, Alencar fez parte de uma comitiva do Governo de Dilma Rousseff que viajou à África, mesmo sem ter nenhum cargo público.

Em princípio, não há ilegalidade nessa relação, mas em um caso onde, de um lado do balcão, há cerca de 50 políticos investigados por receberem propina e, do outro, empreiteiras com contratos públicos bilionários, qualquer aproximação é vista com lupa pelos investigadores.

“Ilegal e desnecessária”

Antes de se defender judicialmente, a Odebrecht decidiu fazer sua defesa perante à opinião pública por meio de um breve pronunciamento de sua advogada, Dora Cavalcanti. Por quase sete minutos diante de uma dezena de jornalistas, ela não respondeu a nenhuma pergunta na noite de sexta-feira. Limitou-se a dizer que os executivos da empreiteira foram vítimas de uma prisão desnecessária e ilegal, afirmou que todos estavam colaborando com a Justiça e que não há nenhum fato novo que justificasse a detenção de seus clientes. Conforme ela, todos os funcionários da companhia terão a oportunidade de provar que são inocentes.

Veja também: 




Afonso Benites
El País
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...