quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Dos três comandantes militares, Comandante da Marinha é o que mais se revoltou com decreto de Dilma; entenda


Imagem: Reprodução/Redes Sociais
O comandante da Marinha, almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira, é, entre os três comandantes das Forças Armadas, o que mais se revoltou, de imediato, com a notícia do decreto que tira poderes dos Comandantes Militares e delega ao Ministro da Defesa competência para assinar atos relativos a pessoal militar, como transferência para a reserva remunerada de oficiais superiores, intermediários e subalternos; reforma de oficiais da ativa e da reserva; promoção aos postos de oficiais superiores; nomeação de capelães militares, entre outros.

Isto se deve ao fato de que, por estar ocupando o posto de ministro interino, o seu nome apareceu, no Diário Oficial, como se estivesse endossando o decreto. "O decreto não passou por mim. Meu nome apareceu só porque eu era ministro da Defesa interino. Não era do meu conhecimento", disse o comandante ao Estadão deixar o desfile de Sete de Setembro.

Fontes ligadas à alta cúpula das Forças Armadas relatam, também, que Bacellar era o mais tenso e estressado durante reunião urgente com os outros dois comandantes das Forças Armadas para tratar do assunto. O almirante se sentiu ultrajado por utilizarem seu nome, sua autoridade e seu prestígio para um decreto cuja existência ele própria desconhecia e que fere e deprecia as Forças Armadas. 

Contudo, cabe destacar que a insatisfação e o conflito foram generalizados: nenhum dos comandantes aceitou passiva e amistosamente o decreto.


Ministro da Defesa liga para comandantes militares ‘enfurecidos’ e pede calma

Jaques Wagner, Ministro da Defesa da presidente Dilma Rousseff, telefonou, nesta tarde, para os comandantes das Forças Armadas para abordar o conflito oriundo de decreto da presidente Dilma Rousseff que tira poderes dos Comandantes Militares e delega ao Ministro da Defesa competência para assinar atos relativos a pessoal militar, como transferência para a reserva remunerada de oficiais superiores, intermediários e subalternos; reforma de oficiais da ativa e da reserva; promoção aos postos de oficiais superiores; nomeação de capelães militares, entre outros.

Os comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica estavam reunidos há uma hora no local e aguardavam também a chegada de Wagner, que afirmou que compareceria ao encontro. O ministro telefonou, durante o período, avisando que chegaria em breve. No entanto, ao fim, ligou avisando que não poderia ir por estar em uma reunião urgente convocada pela presidente Dilma Rousseff para tratar do assunto.

Os comandantes estavam extremamente tensos e irados com o decreto, o que foi agravado pela demora de Wagner. Ao telefone, o ministro pediu desculpas e marcou outra reunião para amanhã pela manhã, mas enfatizou, repetidas vezes, que os comandantes precisam ter calma. “Vocês estão se engasgando com um mosquito na garganta”, disse ele, salientando que houve um mal-entendido e garantindo que irá, o mais rápido possível, editar uma portaria "devolvendo" os poderes que foram a ele transferidos por meio do decreto de Dilma.

Reunião urgente de Dilma com o Ministro da Defesa

De acordo com fontes ligadas à alta cúpula do Ministério da Defesa e dos comandos das Forças Armadas, a presidente Dilma Rousseff convocou, nesta tarde, uma reunião urgente com Jaques Wagner, Ministro da Defesa, para discutir o conflito com o alto escalão das Forças Armadas após decreto que tira poderes dos Comandantes Militares e delega ao Ministro da Defesa competência para assinar atos relativos a pessoal militar, como transferência para a reserva remunerada de oficiais superiores, intermediários e subalternos; reforma de oficiais da ativa e da reserva; promoção aos postos de oficiais superiores; nomeação de capelães militares, entre outros.


Conforme o relatado, Dilma se recusou a revogar o decreto, alegando que isso causaria um desgaste enorme ao seu governo, que já sofre com impopularidade e instabilidade. Entretanto, Jaques Wagner irá editar uma portaria "devolvendo" o poder aos comandantes militares, possibilidade que é abarcada pelo decreto e será uma maneira de "voltar atrás" sem envolver diretamente a presidente, ou, ainda, de simular que se está a seguir apenas o curso natural da decisão. 


Dessa maneira, as decisões militares abarcadas pelo decreto voltariam a funcionar como antes. No entanto, cabe ressaltar que a portaria pode ser revogada a qualquer momento.


Congresso Nacional

Em pronunciamento no Congresso Nacional, o deputado Jair Bolsonaro pronunciou-se a respeito do decreto que retira poderes dos Comandantes Militares. “DECRETO 8515 - MARXISMO NAS FORÇAS ARMADAS: O Decreto 8515/2015, ao revogar o Decreto 62.104/1968, retira da competência dos Comandantes da Marinha, Exército e Aeronáutica, o caráter final para aprovar os Regulamentos das Escolas Militares. A Presidente-Terrorista pretende influenciar diretamente nos currículos escolares das Forças Armadas. Vários parlamentares devem apresentar Projetos de Decreto Legislativo para sustar os efeitos dessa malfadada norma.”, descreveu ele nas redes sociais. Assista ao vídeo:


Durante reunião no Congresso Nacional por ocasião dos 70 anos do encerramento da participação da Força Expedicionária Brasileira na Segunda Guerra Mundial, o General Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, Comandante do Exército Brasileiro, afirmou que o Brasil perdeu a coesão nacional, o sentido de projeto nacional e a unidade em virtude da divisão do país. Segundo ele, a recuperação dessa condição é urgente. Ademais, Villas Bôas reasseriu que o Exército serve ao povo brasileiro. Veja vídeo:



Decreto polêmico

Conforme relatado pelo UOL, a responsabilidade pela decisão de o decreto que tira poderes dos comandantes das Forças Armadas ter saído da gaveta era considerada um mistério. No fim do dia, no entanto, a Casa Civil informou que o envio do decreto à presidente atendeu a uma solicitação da secretaria-geral do Ministério da Defesa, comandada pela petista Eva Maria Chiavon.


No ato da nomeação de Chiavon, houve intensa reação por parte dos militares, tendo em vista que ela, petista "histórica", é casada com Francisco Chiavon, conhecido como "Chicão do MST", um dos fundadores deste "movimento" e considerado o "comandante nº2" da organização, sendo reconhecido como o braço-direito de Stédile. Veja também: Comandantes militares farão reunião urgente para discutir decreto de Dilma que os torna 'inúteis'

Saiba mais sobre o decreto:


Leia também: 
Dilma tira poderes de comandantes militares e gera polêmica e conflito
Coronel diz que Brasil está prestes e viver guerra civil inevitável, culpa Lula e prevê encadeamento dos fatos; veja vídeo
Generais respondem a presidente da CUT: 'Cuidado com a língua, o Brasil só tem um Exército e qualquer grupo armado terá de enfrentá-lo'
General critica ministro da Defesa de Dilma por declarações sobre o MST: 'antiético e imoral'
Coronel Moézia gera polêmica ao dizer que agora é hora de 'radicalizar' contra o PT
General chama petistas de ‘vendilhões corruptos’ e afirma: ‘O Brasil tem dono. É o povo brasileiro’; veja vídeo
General critica o Governo Dilma e exalta o Regime Militar em palestra no Clube Militar
PT e filho de Zé Dirceu propõem que quem pedir intervenção militar seja preso
Generais se posicionam a favor do impeachment de Dilma: 'Collor foi afastado por muito menos'
Coronel chama Dilma de ‘chefe de quadrilha’ e diz que está disposto a dar a vida em luta armada contra guerrilheiros do PT; veja vídeo
General Rômulo Bini responde a ameaça de Lula e alerta: 'As Forças Armadas estarão à frente'
General chama Lula de 'hiena desesperada' e responde a ameaça: 'Vamos encarar e ir à luta'
General diz que atitude de novo ministro da Defesa de Dilma é imperdoável
Marcha pedindo impeachment de Dilma e intervenção militar finaliza na Praça da Sé, veja imagens
Exército brasileiro possui munição para uma hora de guerra
Comando Militar do Sudeste descobre que Cuba infiltrou militares no Mais Médicos
Bolsonaro diz que há exército de cubanos no Brasil e que poderá haver derramamento de sangue; assista ao vídeo
General Paulo Chagas pronuncia-se contra o PT, expõe planos do partido e atinge milhares de pessoas; veja
'Não acredito nas lágrimas de crocodilo da terrorista que governa este país', diz general Arlenio Souza da Costa
FHC critica 'Marcha da Família' e diz que 'população não quer mudar o regime' 
Coronel Moézia chama comandantes militares de covardes e traiçoeiros
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...