quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Após decisão da Câmara, denúncia contra Temer ficará 'congelada' até ele deixar o cargo


Imagem: Pedro Ladeira / Folhapress
A denúncia por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer, rejeitada pela Câmara nesta quarta-feira (2), ficará sobrestada – ou seja, permanecerá parada – até que ele deixe o cargo.



Quando terminar o mandato, o STF poderá remeter a denúncia para as instâncias inferiores darem encaminhamento ao caso.

A investigação, no entanto, pode prosseguir aberta e com diligências. O ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), deve decidir em breve os próximos passos da investigação.

Leia também: 

Delação de ex-governador do Mato Grosso é “monstruosa”, diz ministro do STF
Às vésperas da votação, Lula reiterou que torcia pelo 'fica Temer'
Senado instala CPI do BNDES para investigar empréstimos do banco
Nova operação da Lava Jato prende secretário de Eduardo Paes no Rio
'Nem banho de sol em presídio tem tanto ladrão quanto no Congresso Nacional, tanta figura bizarra!', critica José Simão
Janot pede a inclusão de Temer, Padilha e Moreira Franco no inquérito do ‘quadrilhão’ do PMDB


Nos bastidores do tribunal não se descarta a possibilidade de Fachin determinar o desmembramento da investigação e separar a parte relativa ao ex-assessor de Temer, Rodrigo Rocha Loures. Ele foi filmado pela Polícia Federal correndo com uma mala com R$ 500 mil –o valor seria propina paga pela JBS.

Fachin disse a jornalistas que deve tomar uma decisão logo depois da votação dos deputados. "Assim que a Câmara tomar uma decisão, vou ordenar o processo, em seguida. Mas não vai demorar muito", afirmou. Ele, no entanto, não quis explicar quais seriam as regras para o trâmite.

Em junho, PGR (Procuradoria-Geral da República) denunciou Temer e Rocha Loures por corrupção passiva com base na delação da JBS.

De acordo com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, Temer "recebeu para si", por meio de Loures, a "vantagem indevida de R$ 500 mil ofertada" por Joesley Batista, sócio da JBS, e entregue na mala. A informação de que a acusação ligaria Temer à mala com propina foi antecipada pela Folha.

De acordo com a PGR, o presidente recebeu os recursos "entre os meses de março a abril de 2017, com vontade livre e consciente" e "valendo-se de sua condição de chefe do Poder Executivo e liderança política nacional". O intermediário das operações foi, segundo Janot, Rocha Loures.

No documento, a PGR diz ainda que, "além do efetivo recebimento do montante espúrio mencionado", Temer e Loures "em comunhão de esforços e unidade de desígnios, com vontade livre e consciente, ainda aceitaram a promessa de vantagem indevida no montante de R$ 38 milhões".

Essa é a primeira vez na história brasileira que um presidente da República é acusado formalmente de crime no exercício do cargo. Temer deve ainda ser alvo de novas acusações, conforme antecipou a Folha.

A PGR avalia fazer outros pedidos de abertura de ação penal, atribuindo outros crimes ao presidente, como organização criminosa, obstrução de justiça e lavagem de dinheiro ainda com base na delação da JBS.

Além disso, a PGR pediu ao Supremo para incluir Temer na investigação que apura a suposta atuação de uma quadrilha de deputados do PMDB na Petrobras.


Veja também:





Letícia Casado

Folha de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...