quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Fachin devolve delação de Funaro à PGR e pede ajuste


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin devolveu nesta quarta-feira (30/8) para a Procuradoria Geral da República o acordo de colaboração premiada do doleiro Lúcio Funaro. O ministro pediu ajuste em um dos termos do acordo.



Segundo fontes ouvidas pelo site jurídico Jota, a questão não é considerada problemática para o MP e teria o objetivo de evitar questionamentos no futuro. Como o caso está em sigilo, não há detalhes da correção requerida por Fachin.

No momento da homologação, Fachin precisa analisar individualmente a voluntariedade, regularidade e legalidade do acordo. O delator também será ouvido por um juiz-auxiliar do ministro para saber se falou de forma espontânea e teve direito a defesa.

Leia também:

Senadora Ana Amélia escancara 'cena dantesca' de Gleisi e asseclas do PT, causando tumulto no Congresso Nacional; veja vídeo
Cidadãos fazem ato contra Gilmar Mendes e em apoio à Lava Jato em frente ao STF; veja vídeo
Mensagem é deixada no asfalto para recepcionar Lula no Rio Grande do Norte: 'Ladrão, vá para Cuba que te pariu'
Cidadãos de Mossoró recebem Lula de 'algemas abertas' e foto de faixas viraliza na web
Senador Ferraço escancara como PT transferiu quase R$300 bilhões dos brasileiros para seus 'amigos' via BNDES
Ex-mulher de Zé de Abreu apresenta notas fiscais suspeitas e complica a situação do casal
Vídeo impressionante mostra montante de dinheiro que já foi recuperado pela Operação Lava Jato; veja
Sergio Moro é intensamente aplaudido em pré-estreia do filme sobre a Operação Lava Jato; veja vídeo
'Esse pessoal não brinca em serviço! A armação para vitimizar Lula está feita! Depois não digam que eu não avisei: estamos lidando com cobras!', alerta Janaína Paschoal
Mulher de Gilmar Mendes se revolta com revelação de que recebeu flores de Jacob Barata e diz que é 'uma campanha montada' para difamá-la
Roberto Jefferson detona Paola, do MasterChef, após ela atacar o juiz Sergio Moro: 'Azedou a maionese'
Lula é repudiado no Nordeste e foto de protesto viraliza na web; veja

Maria do Rosário faz publicação com incitação ao crime e Carlos Bolsonaro promete processo contra cartunista


O acordo de Funaro foi entregue ontem ao gabinete do ministro, relator da Lava Jato.

Funaro é considerado operador do grupo do PMDB na Câmara, da qual Temer fazia parte. Segundo fontes, em seus depoimentos, Funaro confirmou que recebeu dinheiro do empresário Joesley Batista mesmo estando preso, mas diz que o repasse era saldo de propina a receber.

Na avaliação dos procuradores, no entanto, os pagamentos faziam parte de uma ação para acalmar ânimos do operador e evitar sua delação. Isso caracterizaria a obstrução.

Outro fato que pode caracterizar a obstrução, segundo procuradores, é que no encontro noturno que teve com Joesley Batista, no Palácio do Jaburu, Temer tomou conhecimento de um plano do empresário para segurar um procurador da República que investigava a JBS, mas não reagiu de forma contrária à estratégia. Para investigadores, a obstrução pode ser pode se configurar tanto na ação quanto na omissão.

O operador também confirmou aos investigadores que fez entrega de dinheiro da Odebrecht no escritório de advocacia de José Yunes, amigo de Temer. A colaboração também deve atingir os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da Secretaria Geral da Presidência,  Moreira Franco.

Antes da delação, informações prestadas por Funaro à Justiça Federal do DF motivaram a prisão do ex-ministro Geddel Vieira Lima, um dos principais aliados de Temer, que acabou derrubada pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Foram apontadas ligações de Geddel para a mulher do doleiro com objetivo de sondar a disposição de fechar delação, segundo o MP. Geddel já foi denunciado à Justiça.

Veja também:




 
 

Márcio Falcão
Jota
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...