terça-feira, 22 de agosto de 2017

Funaro fecha acordo de delação com MPF


Imagem: Gustavo Miranda / Ag. O Globo
Depois de meses de negociação e após uma reunião que só terminou por volta da meia-noite, advogados do operador Lúcio Bolonha Funaro e integrantes do Ministério Público Federal (MPF) acertaram os termos do acordo de delação premiada. Segundo pessoas com acesso às negociações, o acordo será assinado ainda nesta terça-feira.



Após a formalização entre as duas partes, o material, incluindo os anexos em que o futuro delator promete apresentar provas sobre crimes de que teve conhecimento e/ou participação, será enviado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que o acordo seja homologado.

Leia também: 

'A única coisa que unifica o Congresso é a vontade de se reeleger', diz relator da 'reforma política'
Deputados criam nova proposta para as próximas eleições e podem votar ainda hoje
Governo propõe a privatização da Eletrobrás
Entidade comandada por Jacob Barata já patrocinou Gilmar Mendes
Líder petista em Sergipe anuncia Lula como ‘futuro presidiário’
Juízes e procuradores farão ato de desagravo ao juiz Marcelo Bretas por declarações de Gilmar Mendes
Janot pede suspeição do ministro Gilmar Mendes por libertar pai da afilhada
Corregedoria conclui que palestras de Deltan Dallagnol foram perfeitamente lícitas
Janot denuncia Romero Jucá na Zelotes
Moro condena Duque e impõe multa de R$ 115 milhões
Bolsonaro é o político mais presente na internet, segundo várias pesquisas
Gilmar Mendes é vaiado em evento sobre a reforma política: 'Vergonha!'
Suspeito que Gilmar libertou guardava R$ 2,4 milhões em espécie em casa
Diretores de Instituto Federal são afastados após permitir que a instituição fosse 'tomada' pelo MST
Moro diz que financiamento público integral de campanhas impede renovação política
Petições pelo impeachment de Gilmar Mendes aproximam-se de um milhão de assinaturas

Fundo público de R$ 3,6 bilhões desafia fiscalização eleitoral

Funaro agia como operador do PMDB. Há uma semana, após acompanhar audiência na Justiça Federal, onde responde a processo junto com o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que teve o mandato cassado, Funaro foi abordado por jornalistas.

Indagado se tinha algo a falar sobre o presidente Michel Temer, limitou-se a dizer que ainda tem o que dizer. No entanto, ainda não há detalhes sobre o conteúdo da delação do operador e qual a extensão da lista de envolvidos do mundo político citados por ele.

TRANSFERÊNCIA À PF

Na última segunda-feira, o doleiro foi transferido do presídio da Papuda para a carceragem da Polícia Federal (PF). Foi a segunda vez desde o início do mês passado que Funaro foi levado à carceragem da polícia, onde pode prestar depoimentos com mais facilidade. Normalmente, quem negocia acordo de delação é levado para lá.

Na última semana, fontes vinculadas ao caso disseram ao GLOBO que o acordo estava em fase final de negociação e só não tinha sido assinado até então porque as partes ainda divergiam sobre o tempo em que Funaro ficaria preso. Investigadores da Lava-Jato exigiam 12 anos de prisão para o operador. O doleiro entendia que, pelas informações oferecidas, teria direito a deixar a cadeia até o fim deste ano.

Os investigadores decidiram estabelecer regras mais duras para o operador porque ele só se dispôs a colaborar quando boa parte da suposta estrutura de corrupção a que pertencia já era conhecida da Lava-Jato. Conta também contra Funaro o fato de que este seria o segundo acordo de delação dele. O operador fez acordo de colaboração durante as investigações do mensalão, mas não cumpriu o compromisso de não voltar a cometer crimes.

As revelações de Funaro podem atingir um expressivo número de políticos, entre eles o presidente Michel Temer. Antes de ser preso, no início de julho do ano passado, o operador do PMDB era considerado um dos principais cúmplices dos negócios do ex-deputado Eduardo Cunha e de outros políticos do partido.

DEPOIMENTO LEVOU GEDDEL À PRISÃO

Um único depoimento que o doleiro prestou à PF, por exemplo, já serviu de base para a prisão do ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), que era um dos ministros mais influentes na primeira fase do governo Temer.

Geddel foi acusado de tentar impedir acordo de delação premiada do ex-deputado Eduardo Cunha e do operador financeiro Lúcio Bolonha Funaro. Ele foi preso em Salvador e está em em prisão domiciliar.

No pedido de prisão apresentado ao juiz, os investigadores afirmam que "foram citadas mensagens enviadas recentemente (entre os meses de maio e junho) por Geddel à esposa de Lúcio Funaro. Para provar, tanto a existência desses contatos quanto a afirmação de que a iniciativa partiu do político, Funaro entregou à polícia cópias de diversas telas do aplicativo".

Nas mensagens, Funaro identifica Geddel como "Carainho". Para o Ministério Público, "os novos elementos deixam claro que Geddel continua agindo para obstruir a apuração dos crimes e ainda reforçam o perfil de alguém que reitera na prática criminosa". Geddel foi preso em Salvador e deve ser transferido agora para Brasília.

Veja também:




Jailton de Carvalho 
O Globo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...