sábado, 12 de agosto de 2017

Governo não cumpriu papel de cortar gastos e mudar meta é ruim, diz Maia


Imagem: Nelson Almeida / AFP
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta sexta-feira (11) que a mudança da meta fiscal deste ano será "muito ruim" e significa que o governo não conseguiu cumprir seu papel de cortar despesas.



"Pelo visto o governo vai anunciar um aumento da meta, o que é muito ruim e mostra que o governo não teve condições de executar seu próprio Orçamento cortando despesas", disse Maia durante participação em evento na Fundação Getulio Vargas, no Rio de Janeiro.

Leia também: 

Morre ex-marido de Dilma
As digitais do PT estão impressas de modo indelével na tragédia venezuelana, diz Caiado
Lula volta a dizer que, se for eleito, vai censurar a imprensa
Fundo de R$ 3,6 bilhões para campanhas é um deboche, diz presidente da OAB


O governo deve anunciar na segunda-feira (14) novas e maiores metas de deficit primário, que passarão a R$ 159 bilhões tanto para 2017 quanto para 2018 —mesma cifra obtida em 2016.

As metas ainda vigentes para o governo central (Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência) são de um rombo de R$ 139 bilhões para este ano e R$ 129 bilhões para o próximo.

Maia disse ser contra a alteração na meta fiscal uma vez que o deficit mais elevado pode trazer implicações no endividamento do país, na confiança dos empresários e nas perspectivas de investimento.

"Fico desconfortável com o aumento da meta porque não é justo com a sociedade brasileira. Já temos deficit muito grande... sabemos que a crise econômica existe, houve redução de arrecadação, mas não é bom porque você sinaliza que o endividamento pode crescer e gerar dificuldade", afirmou.

Segundo o presidente da Câmara, conseguir aprovar a reforma da Previdência minimizaria os efeitos negativos do aumento do rombo fiscal, uma vez que os gastos previdenciários são o principal peso para as contas do governo.

Como a tramitação da reforma da Previdência está parada desde o início da crise envolvendo o presidente Michel Temer em consequência das delações da JBS, em maio, Maia reconheceu que será uma tarefa difícil aprová-la em setembro, mas disse que vai trabalhar para convencer os parlamentares de que sem mudança nas regras previdenciárias o caminho pode ser o aumento de impostos.

"O Parlamento tem que escolher os caminhos e tributar a sociedade não é o caminho, mas temos despesas obrigatórias que crescem todos os anos. Precisamos enfrentar as despesas obrigatórias para não aumentar impostos", afirmou Maia, reiterando, ainda, que a Câmara não vai apoiar o governo em nenhum tipo de aumento de impostos.

REFORMA POLÍTICA

Maia também avaliou como ruins algumas medidas aprovadas na comissão especial da Câmara para debater a reforma política.

Segundo ele, a criação de um fundo permanente para financiamento eleitoral dá uma sinalização negativa à sociedade em tempos de necessidade de ajuste fiscal, enquanto o modelo de voto majoritário para o Legislativo, conhecido como "distritão", precisaria de uma cláusula de desempenho para evitar a proliferação de mais partidos políticos.

Nesta semana, a comissão aprovou o Fundo Especial de Financiamento da Democracia, a ser utilizado para o financiamento das campanhas. Segundo a proposta, o fundo será formado por 0,5% das receitas correntes líquidas do Orçamento, o que corresponde hoje a cerca de R$ 3,5 bilhões.

"Se o fundo tivesse começo, meio e fim seria de melhor entendimento pela sociedade, mas permanente não é bom", avaliou. 

Veja também: 








Reuters via Folha de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...