quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Marta comemorou em festa com Joesley idade que a livrou da Lava Jato


Imagem: Bruno Poletti / Estadão
"Após errar tanto, finalmente me sinto feliz", dizia Marta Suplicy, então no PT, em 21 de março de 2015. Naquela noite, usando vestido de um ombro só, branco, com bordados no colo e na manga, a senadora brindava seus 70 anos em festança no Jardim América, em São Paulo, e preparava sua troca de partido.



Mais de dois anos depois de ter distribuído convites cor-de-rosa para o evento, ela se livrou graças à idade, ao menos por enquanto, da Operação Lava Jato. Na segunda-feira (7), um pedido de inquérito contra a peemedebista foi arquivado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) porque Marta já passou dos 70. Com isso, não caberia punição, caso a investigação seguisse.

Leia também: 
Acompanhe ao vivo a sessão que decide se contribuintes terão que dar bilhões aos partidos
STJ nega mais um pedido de Lula para declarar suspeição do juiz Sérgio Moro
STF rejeita incluir aumento em proposta orçamentária de 2018
Chefes do Ministério Público desafiam Gilmar a provar o que diz
Cármen Lúcia nega pedido de Aécio para inquérito ser redistribuído para Gilmar
Comissão pode alterar fundo de R$ 3,5 bilhões na sessão que começa às 10:00


O prazo de prescrição de um crime é reduzido pela metade quando a pessoa chega a essa faixa etária. Além de Marta, 72, os deputados Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), 74, e Roberto Freire (PPS-SP), 75, foram beneficiados pelo arquivamento. Todos são citados na delação da Odebrecht, suspeitos de receber caixa dois em campanhas.

Na "soirée" (noitada, em francês) chique, como a revista "Caras" chamou o evento de 2015, Marta andava com a cabeça na eleição. Àquela altura se acreditava que a aniversariante iria para o PSB. Seis meses depois, ela se filiaria ao PMDB, sigla pela qual viria a disputar em 2016 a Prefeitura de São Paulo —e perder para o tucano João Doria.

A Odebrecht afirmou na delação que fez doações ilegais às campanhas dela em 2008 (para prefeita) e em 2010 (para o Senado). Marta sempre negou. Nesta quarta-feira (9), disse à Folha que não comentaria o arquivamento.

"No belo salão de festas do prédio em que mora com o marido, Márcio Toledo", conforme a descrição do site "Glamurama", ela recebeu convivas como Joesley Batista e Ticiana Villas Boas. Marta tinha ido ao casamento deles.

Hoje em dia, o dono da JBS pode se tornar o responsável por nova investida da Lava Jato contra a amiga de outrora. Joesley contou em delação ter pago mesada de R$ 200 mil a ela por 15 meses e dado R$ 1 milhão para a campanha ao Senado em 2014. Ela diz que só recebeu doações legais.

LULA E DILMA

A então petista —que circulou entre os 300 convidados com o vestido assinado pelo estilista Samuel Cirnansck "e sem descer do salto agulha Louboutin altíssimo", segundo reportagem da Folha — só recebeu um então colega de sigla: Delcídio do Amaral (MS), que teve o mandato de senador cassado em 2016.

Nem Dilma Rousseff, na época já com a crise política em seu calcanhar, nem Lula (a quem a senadora já tinha informado que "iria buscar seu caminho") compareceram.

Mas a presença da classe política foi garantida por amigos como o então vice-presidente Michel Temer (com a mulher, Marcela), o vice-governador paulista, Márcio França (PSB-SP), e o ex-presidente José Sarney. Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal, também deu parabéns a Marta. 


Veja também:




Joelmir Tavares
Folha de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...