terça-feira, 22 de agosto de 2017

Moro solta Vaccarezza com fiança de R$ 1,5 milhão


Imagem: Reprodução / Veja
O juiz federal Sérgio Moro mandou soltar o ex-deputado federal Cândido Vaccarezza nesta terça-feira, 22. O magistrado impôs fiança de R$ 1.522.700,00, a ser paga em dez dias, e cinco medidas cautelares.



“Proibição do exercício de cargo ou função pública na Administração Pública direta ou indireta; compromisso de comparecimento a todos os atos do processo; proibição de deixar o país, com a entrega do passaporte a este Juízo em 48 horas; proibição de contatos com os demais investigados, salvo familiares e proibição de mudança de endereço sem autorização do Juízo”, determinou o juiz da Lava Jato.

Leia também:

'Congresso vergonhoso quer 70 milhões por dia em 2018 enquanto toma o dinheiro do povo! Chega, o povo vai reagir!', afirma Levy Fidelix
2ª Turma do STF transforma Collor em réu na Lava Jato
Ex-procuradora-geral perseguida por Maduro segue para o Brasil, diz autoridade da Colômbia

O ex-parlamentar foi preso em São Paulo na Operação Abate, desdobramento da Lava Jato, na sexta-feira, 18.

A defesa de Vaccarezza havia informado à Lava Jato que o ex-deputado tinha agendado para a segunda-feira, 21, ‘uma biópsia de próstata diante da constatação de uma alteração na glândula’. O advogado Marcellus Ferreira Pinto junto aos autos o agendamento do exame.

Moro anotou que nem a Polícia Federal e nem o Ministério Público Federal ‘questionaram a autenticidade desses documentos relativos ao exame, nem se manifestaram a esse respeito’.

“No contexto do agendamento referido exame, este Juízo reputa, por ora, mais adequado impor medidas cautelares alternativas ao invés da prisão preventiva requerida. As medidas alternativas propiciarão tempo para o esclarecimento da situação de saúde do investigado, para o aprofundamento das investigações, inclusive quanto à origem do dinheiro em espécie encontrado e quanto ao eventual envolvimento do investigado em outros crimes contra a Petrobrás”, decidiu Moro.

Investigação. A Abate apontou que Cândido Vaccarezza, líder do PT na Câmara, entre janeiro de 2010 e março de 2012, usou ‘a influência decorrente do cargo em favor da contratação da Sargeant Marine pela Petrobrás, o que culminou na celebração de doze contratos, entre 2010 e 2013, no valor de aproximadamente US$ 180 milhões’. O ex-deputado teria recebido propina de US$ 500 mil.

Segundo Moro, é ‘forçoso reconhecer’ que ‘salvo o episódio envolvendo a Sargeant Marine, as investigações relacionadas aos outros fatos ainda nem se iniciaram e as provas pertinentes ainda são limitadas’.

Durante buscas da Abate, foram encontrados R$ 122 mil na casa de Vaccarezza. O juiz afirmou que o fato ‘não favorece’ Vaccarezza.

“Embora não seja ilegal a posse de quantidade expressiva de dinheiro em espécie, trata-se de um elemento indiciário do envolvimento atual do investigado em crimes, já que é comum, na atividade criminal, a realização de transações vultosas em espécie, a fim de evitar rastreamento”, afirmou o juiz da Lava Jato.

“É certo que o investigado apresentou uma explicação para o fato, mas ela precisa ser melhor analisada na investigação.”

O magistrado relatou que Vaccarezza não foi reeleito em 2014 e, por isso, ‘sua influência política deveria ter sofrido alguma diminuição’.

“Entretanto, constam notícias na rede mundial de computadores de que ele seria presidente regional de uma nova agremiação política. Ainda que sem mandato parlamentar, o ex-deputado ainda tem alguma influência política e que, infelizmente, pode ser indevidamente utilizada para a prática de crimes contra a Administração Pública.


Veja também:



Julia Affonso, Ricardo Brandt, Luiz Vassallo e Fausto Macedo
O Estado de S. Paulo


Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...