quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Padrinho de filha de Barata, Gilmar Mendes se justifica: 'Casamento não durou seis meses'


Imagem: Jorge William / Ag. O Globo
O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), informou nesta quinta-feira, por meio de sua assessoria, que não sentiu necessidade de se declarar suspeito para julgar o habeas corpus para libertar o empresário de ônibus Jacob Barata Filho e o ex-presidente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), Lélis Teixeira.



Em 2013, o ministro e a mulher, Guiomar Mendes, foram padrinhos de casamento da filha de Jacob Barata Filho com um sobrinho de Guiomar. Segundo a assessoria de imprensa do ministro, o casamento “não durou nem seis meses”. Pelas regras de suspeição, um juiz não pode atuar em processo por motivo de foro íntimo – que poderia ser, por exemplo, por amizade ou inimizade em relação a uma das partes envolvidas.

Leia também:
Empresa alvo da operação Ponto Final contratou escritório da mulher de Gilmar Mendes
Juiz expede novo mandado de prisão contra executivo solto por Gilmar
Lula começa sua 'caravana de ônibus pelo Nordeste' indo de avião
Fábio Assunção proíbe filho de atuar em filme de Danilo Gentili e o chama de 'mau exemplo' 


Veja também: 




O Globo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...