quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Tribunal rejeita mais um recurso e diz que Moro tem autoridade para barrar celular em audiência


Imagem: Reprodução / Estadão
O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4) rejeitou mandado de segurança que requeria a garantia de liberação do uso de aparelhos celulares em audiências da Operação Lava Jato. A ação foi impetrada pela defesa do presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e por seu advogado, Fernando Fernandes, que se insurgiram contra determinação do juiz Sérgio Moro. Segundo a decisão dos desembargadores da 8.ª Turma da Corte federal, ‘cabe ao juiz definir as medidas a serem tomadas para o bom andamento da audiência’.



O julgamento refere-se ao mérito do Mandado de Segurança já decidido liminarmente em 10 de maio, quando foi requerida medida de urgência contra decisão de Moro, titular da 13.ª Vara Federal de Curitiba – base da Lava Jato – de proibir o ingresso dos aparelhos durante o interrogatório do ex-presidente Lula.

O pedido foi extensivo a novos atos processuais que viessem a ocorrer.

Leia também: 

Justiça manda herdeira que prometeu R$ 500 mil a Lula pagar dívida antes
Fábio Assunção proíbe filho de atuar em filme de Danilo Gentili e o chama de 'mau exemplo'
Câmara adia votação da PEC da reforma política
Relator recua e retira doação oculta do texto da reforma política


Marco Aurélio quer pôr na pauta do STF debate de prisão 2ª em instância
Caravana de Lula no Nordeste já enfrenta percalços antes de começar
Magno Malta detona fundo bilionário para financiar campanhas; assista
EUA pedem que países latinos, inclusive Brasil, rompam com Coreia do Norte

Segundo os advogados, o aparelho celular ‘é instrumento de trabalho e a realização dos atos judiciais não pode deixar os representantes dos réus incomunicáveis’.

Os advogados sustentaram que o uso dos celulares como ‘ferramenta profissional torna-os invioláveis’. Argumentaram ainda que a norma da Corregedoria Regional da Justiça Federal que faz a restrição seria um cerceamento do exercício profissional.

Os desembargadores Leandro Paulsen e Victor Luis dos Santos Laus, cujos votos prevaleceram, entenderam que a decisão de Moro ‘não teria caráter normativo, mas sim pontual e aplicada ao caso concreto’.

Destacaram que o celular ‘é necessário e relevante para a atividade do advogado, sendo possível a utilização, em regra, mas que isso não invalida a decisão tomada pelo juiz, que pode tomar as medidas necessárias para o bom andamento dos trabalhos’.


Veja também: 





Luiz Vassallo
O Estado de S. Paulo


Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...