segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Delator da JBS gravou Cardozo e enviou áudio ao exterior, diz Janot


Imagem: Nelson Antoine / Agif
O executivo Ricardo Saud, delator da JBS, disse em depoimento na quinta-feira (7) à PGR (Procuradoria-Geral da República) que gravou conversa com o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo (PT) e enviou o áudio para o exterior.



A informação consta do pedido de prisão dele, de Joesley Batista e do ex-procurador Marcelo Miller, feito pelo procurador-geral, Rodrigo Janot. Saud e Joesley estão presos temporariamente por determinação do ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal).

Leia também: 

Delatores vão primeiro ao IML, depois para o xadrez da PF em Brasília
Compadre de Lula pede a Moro adiamento de interrogatório pela segunda vez
Já se fala em delação premiada do ex-procurador Marcelo Miller
Após depoimento de Palocci, Lula falará a Moro na quarta-feira
Perda de benefícios ameaça mais delatores da Lava Jato
Com terço nas mãos e sem o sorrisinho, Joesley deixa PF em São Paulo rumo a Brasília
Definição sobre futuro da delação da JBS pode ficar com Raquel Dodge
Preso, Joesley não comparece a depoimento na Greenfield


Segundo a PGR, conversas como a de Cardozo "não apenas deixaram de ser entregues ao Ministério Publico Federal como foram levadas ao exterior, em aparente tentativa de ocultação dos arquivos das autoridades".

A informação de que os delatores enviaram áudios ao exterior foi revelada pelo "Painel".

Segundo o documento da PGR, Saud contou aos procuradores sobre um jantar com Marco Aurélio Carvalho, sócio de Cardozo, na casa de Joesley Batista, no Jardim Europa, em São Paulo.

De acordo com Saud, Marco Aurélio lhe disse que Cardozo voltaria a advogar e que a empresa precisava de alguém da área de compliance e que então marcaram um encontro com Cardozo na casa de Joesley.

Esse encontro foi gravado, disse o executivo. "No jantar Marco Aurélio chegou antes e disse que José Eduardo Cardozo estava muito bem, era intocável pela reputação imaculada, querendo vender os serviços; que pagava a Marco Aurélio para ter uma 'reserva de boa vontade' caso precisasse de algo, que nunca ocorreu", informa o depoimento.

Saud diz que relatou essa conversa a Marcelo Miller, "inflando o máximo" possível "para ver qual seria a reação" e o avisou que gravaria o senador Ciro Nogueira (PP-PI). O executivo disse ainda que contou a Miller que gravou Cardozo e que ouviu do ex-procurador "que aquilo daria cadeia, que iriam para cima dele, depoente, e José Eduardo Cardozo".

Depois dessa conversa, Miller saiu da sala e mandou mensagens pelo celular, disse Saud, acrescentando que achou aquilo estranho. Ele afirmou que não mostrou a gravação de Cardozo a Marcelo Miller, "apenas mostrou um pen drive".


Veja também:






 
 


Letícia Casado
Folha de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...