segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Gravação da JBS-Friboi cita quatro ministros do Supremo, dizem fontes


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
A gravação de quatro horas que poderá levar à anulação da delação premiada dos executivos da JBS traz menções comprometedoras a quatro ministros do Supremo Tribunal Federal.



Uma dessas menções é considerada “gravíssima” pelos procuradores – embora as demais, nas palavras de quem as ouviu, também causem embaraços aos envolvidos.

Leia também: 

‘O povo vai imaginar que os 11 ministros do STF estão envolvidos’, reclama Marco Aurélio
Janot já enviou ao STF áudio que pode cancelar benefícios da delação da JBS-Friboi
Delegado publica foto mostrando como a Câmara dos Deputados está completamente vazia e repercute na web
URGENTE: Janot ameaça cancelar a delação da JBS-Friboi
Homem é agredido por seguranças de Lula, tem costelas quebradas e pode perder um olho
Rosa Weber pode mudar seu voto e decidir a favor da prisão em segunda instância
Temer reclama a Janot por Joesley tê-lo chamado de 'ladrão-geral da República'
Lava Jato interrompeu um golpe de Estado do PT, diz advogado da Petrobras que deu bronca no advogado de Lula
PMDB e PT já discutem alianças nos Estados
Doria admite possibilidade de sair do PSDB e descarta prévia com Alckmin
Moro nega pedido de Lula para suspender interrogatórios

Fontes com acesso ao áudio revelaram à revista Veja que os ministros são citados pelos delatores Joesley Batista e Ricardo Saud em situações que denotam “diferentes níveis de gravidade”.

Algumas são consideradas até banais, mas “ruins” para a imagem dos ministros. Mas uma delas, em especial, se destaca por enredar um dos onze ministros da corte em um episódio que parece “mais comprometedor”.

A expectativa é de que o Supremo torne a gravação pública nesta terça-feira.

Joesley e Saud se gravaram durante o processo de negociação da delação premiada com a Procuradoria. Aparentemente, estavam aprendendo a operar um dos gravadores que usariam para registrar conversas com autoridades.

O áudio, diz uma fonte, indica que ambos estavam sob efeito de álcool durante a conversa – o que, de acordo com autoridades que trabalham no caso, não elimina a necessidade de investigação sobre o teor do diálogo.

Além dos ministros do Supremo, os dois delatores da JBS mencionam o ex-procurador da República Marcelo Miller, que trocou a assessoria do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por um escritório de advocacia contratado pela JBS.

Joesley Batista e Ricardo Saud dão a entender na conversa que, mesmo no período em que auxiliava Janot na Lava-Jato, Miller já trabalhava para a JBS.

Por terem omitido os episódios citados na conversa durante os depoimentos prestados como parte da delação premiada, os delatores poderão ter os benefícios do acordo cassados, conforme o próprio Rodrigo Janot anunciou no início da noite desta segunda-feira em Brasília.

Os dois delatores serão ouvidos novamente pela Procuradoria para explicar os episódios a que se referem na gravação.


Veja também:



 
 

Rodrigo Rangel
Veja
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...