sexta-feira, 8 de setembro de 2017

URGENTE: Janot pede prisão de Joesley, Saud e ex-procurador Miller


Imagem: Dida Sampaio / Estadão
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) o pedido para prender o empresário e dono do grupo J&F, Joesley Batista, segundo apurou o Estado. O pedido ainda precisa ser analisado pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato na Corte.



Segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, Janot também pediu a prisão do diretor do J&F, Ricardo Saud, e do ex-procurador Marcello Miller.

Leia também: 

'Conheci Lula em junho de 75. De cara, vi que era malandro. Nunca vi Palocci e ele só confirmou o que escrevi em 2011', afirma Josê Nêumanne Pinto
Senadora Ana Amélia empareda petistas: 'Diante dessas graves acusações, os petistas continuarão insistindo que Lula sofre perseguição política?'
'Depois do Nordeste, Lula quer fazer uma caravana para Minas. A caravana que lhe sobra é para Curitiba, e só', alfineta Roberto Jefferson
Alexandre Frota ataca Gabriela Pugliesi após notícia de programa que receberá mais de R$2 milhões via Ancine; veja vídeo
Procuradora aposentada do DF faz grave denúncia de apologia ao crime em plena escola do Rio; veja vídeo
Ministro da Justiça determina à PF investigação de citação de Gilmar Mendes em revista
'Acaba de ocorrer a morte política de Lula', diz jornalista Augusto Nunes
Guga Chacra causa polêmica ao acusar 'fanatismo' de alguns petistas por Lula

Janaína Paschoal 'enquadra' petistas: 'Lula, Dilma e Gleisi insistem em defender uma ditadura sangrenta. Os defensores dos direitos humanos calam diante dos crimes de Maduro!'

Em conversa entregue pela própria defesa da JBS, Saud e Joesley conversam sobre a suposta interferência de Miller para ajudar nas tratativas de delação premiada. O ex-procurador ainda fazia parte do Ministério Público quando começou a conversar com os executivos, no final de fevereiro. Ele foi exonerado da instituição apenas em abril.

Na segunda-feira, Janot abriu um procedimento de revisão do acordo de delação dos empresários. Ele vai pedir a revogação do benefício de imunidade penal concedido aos delatores.

A prisão preventiva já vinha sendo analisada por Janot nos últimos dias. Ontem, os executivos prestaram esclarecimentos à PGR, mas não convenceram. A avaliação na instituição é de que o discurso era somente para manter a validade do acordo, mas os fatos narrados foram graves.

No caso de Miller, há auxiliares de Janot que avaliam que ele atuou junto à JBS com uso de informações privilegiadas que possui por ser ter integrado a equipe de Janot e pode ter incorrido no crime de obstrução de justiça e exploração de prestígio.


Veja também:



 
 



Beatriz Bulla
O Estado de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...