quarta-feira, 6 de setembro de 2017

PMDB 'não tem relação' com R$ 51 milhões atribuídos a Geddel, diz Jucá


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá (RR), afirmou nesta quarta-feira (6) que o partido não tem relação direta com os R$ 51 milhões encontrados em malas em um apartamento em Salvador atribuído ao ex-ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima (PMDB).



O montante foi descoberto pela Polícia Federal durante a Operação Tesouro Perdido, desdobramento da Cui Bono? nesta terça-feira (5). Ao todo, foram necessárias mais de 14 horas para a contagem das notas, mesmo com máquinas destinadas à atividade.

Veja o dinheiro encontrado no "bunker da propina" do ex-ministro de Lula sendo contado:


"A questão de qualquer denúncia sobre qualquer filiado deve ser explicada pelo filiado. Eu não conheço essa situação do ex-ministro Geddel. Acho que quem tem de explicar é a Polícia Federal e, eventualmente, se ele tiver algum tipo de relação, ele também deve se explicar. Isso não fere o PMDB, não tem nenhuma relação direta com o PMDB. Portanto, é uma ilação que não vamos puxar para o debate porque não está na pauta do PMDB esse assunto", declarou Jucá.

Geddel, que foi preso no dia 3 de julho, ainda não se pronunciou sobre o caso. Atualmente, ele cumpre prisão domiciliar em sua casa, em Salvador.

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, falou que o episódio é uma questão pessoal de Geddel e, por isso, não poderia responder pelo ato em uma solenidade do partido. Nesta quarta-feira, membros do alto escalão do PMDB participaram da filiação do senador Fernando Bezerra Coelho (PE) à legenda. Ele era integrante do PSB.

"Nós temos questões que são pessoais e não cabe ao partido responder. Eu penso que cada um responde pelos seus atos e no caso aqui estamos tratando das questões coletivas", disse.

Leia também:
Empresário admite ter comprado terreno de R$ 7 milhões que seria para nova sede do Instituto Lula
Ministro Luiz Fux pede prisão dos delatores da JBS

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, um dos auxiliares mais próximos do presidente da República, Michel Temer, e também filiado ao PMDB, se recusou a comentar o episódio.

O ministro deu entrevista sobre a reforma da Previdência, mas quando foi questionado pela reportagem, encerrou a fala e se retirou irritado da Câmara sem falar mais com a imprensa. Ele limitou-se a dizer "Agora chega! Agora chega!".

Mais cedo pela manhã, Moreira Franco e Eliseu Padilha se reuniram com Michel Temer no Palácio do Planalto. O presidente chegou na madrugada desta quarta a Brasília.

Quando questionado pelo UOL sobre o encontro, Moreira também se recusou. "Não quero falar. Não tenho o que falar", argumentou.

Veja também:

 
 

Luciana Amaral
UOL
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...