sábado, 25 de novembro de 2017

Lobista da Odebrecht visitou Jucá 75 vezes


Imagem: Pedro Ladeira / Folhapress
Registros de entrada no Senado entregues à Polícia Federal revelam que Romero Jucá (PMDB-RR) foi o senador mais visitado pelo lobista da Odebrecht Cláudio Melo Filho na época em que tramitaram medidas provisórias que, segundo delatores da empreiteira, foram "compradas" para favorecer o grupo. 



Em sua delação, Melo Filho disse à Procuradoria-Geral da República que, em um dos casos, a empresa pagou cerca de R$ 7 milhões via caixa dois para garantir a aprovação da MP 613/2013, que beneficiava com isenções fiscais a Braskem, empresa petroquímica do Grupo Odebrecht, e produtores de etanol. Desse valor, segundo Melo Filho, cerca de R$ 4 milhões foram para Jucá. 

Leia também: 

Os registros de entrada, fornecidos pela Secretaria de Polícia do Senado, constam do inquérito da PF que investiga a suposta "venda" de quatro MPs. Nos dias em que essas MPs tramitaram no Congresso, Melo Filho entrou no Senado cerca de 20 vezes rumo ao gabinete de Jucá. No total, de 2009 a 2014, período das informações coletadas pela PF, o lobista esteve no Senado 75 vezes para visitar o senador. 

Há ainda outros dez registros de entrada em direção ao gabinete da liderança do governo no período em que Jucá exercia essa função. 

Conforme os registros, mesmo depois de Jucá deixar a liderança, seu gabinete continuou a receber as visitas, com a mesma frequência. 

Encarregado de fazer a ponte entre a Odebrecht e congressistas, Melo Filho visitou também outros senadores. Exemplos são Gim Argello (16 vezes), Renan Calheiros, do PMDB-AL (8 vezes), e Sérgio Guerra, do PSDB-PE (7 vezes). 

No documento enviado à PF a Polícia do Senado ressalvou que o destino dos que entram na Casa é informado na portaria, "não havendo verificação que confirme se de fato o visitante se dirigiu ao local". 

Também são alvos no inquérito os senadores Renan, Eunício Oliveira (PMDB-CE), hoje presidente do Senado, e os deputados Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) e Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara. Todos negam as acusações da Odebrecht. 

Segundo o lobista Melo Filho, os pagamentos no Senado foram acertados com Jucá, que teria dito que atuava em parceria com Renan, e tinham o objetivo de garantir que as MPs não caducassem. 

Relatórios da inteligência da PF apensados ao inquérito expõem dificuldades para obter provas dos supostos crimes. Segundo os relatórios, nenhum dos congressistas citados apresentou emendas às MPs suspeitas. 

Os discursos deles favoráveis às medidas, conforme a análise, podem ter sido em virtude de Jucá ser líder do governo e Renan, presidente do Senado. 

Por fim, o sistema de prestação de contas da eleição de 2010 –que teria gerado doações oficiais da Odebrecht e de empresas parceiras para os suspeitos– não permite identificar os doadores originais quando a contribuição foi feita via diretório partidário. 

OUTRO LADO 

Jucá afirmou, em nota, que, "como líder do governo, recebe várias pessoas de diversos setores e áreas". "A delação do senhor Claudio Melo se mostrará sem comprovação, assim como outras em curso."

Veja também:







Reynaldo Turollo  Jr e Rubens Valente
Folha de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...