terça-feira, 7 de novembro de 2017

PGR denuncia deputada Shéridan por compra de votos


Imagem: André Coelho / Ag. O Globo
A deputada federal Shéridan (PSDB-RR) foi denunciada pela PGR (Procuradoria-Geral da República) nesta terça-feira (7) por compra de votos durante a campanha eleitoral de 2010. Se a acusação for aceita pelo STF (Supremo Tribunal Federal), ela vira ré no processo.


Especialistas explicam como a história brasileira foi deturpada por professores marxistas e documentário completamente gratuito está esclarecendo até mesmo pessoas instruídas. Clique aqui para saber mais.

Segundo comunicado da PGR, Shéridan é acusada de compra de votos em favor de seu ex-marido José Anchieta Júnior (PSDB) nas eleições de 2010, quando ele disputou e venceu a reeleição para o governo de Roraima. 

Leia também: 

Na época, Shéridan era primeira-dama do Estado e secretária de Promoção Humana e Desenvolvimento. Ela teria oferecido vantagens a moradores do bairro de Pintolândia, em Boa Vista, para obter votos em favor do governador.

De acordo com a PGR, a denúncia foi feita com base em áudios gravados pelos eleitores e depoimentos. Segundo relatos de eleitores, a hoje parlamentar teria oferecido inscrições em programa social do governo, pagamento de multas de trânsito, entre outras vantagens, para que votassem em Anchieta Júnior. 

"A denunciada era capaz à época dos fatos, possuía consciência da ilicitude e dela se exigia conduta diversa, encontrando-se caracterizada a autoria e materialidade delitivas", diz a procuradora-geral da República, Raquel Dodge. 

Como parlamentares têm direito ao chamado foro privilegiado, a acusação contra Shéridan será analisada diretamente pelo STF, o que não tem data para acontecer.

O UOL ligou para um celular da deputada às 19h17 para saber se ela comentaria a denúncia da PGR, mas ninguém atendeu. Vinte minutos antes, a reportagem também telefonou para o gabinete de Shéridan, mas não conseguiu contato com sua assessoria de imprensa ou com algum advogado da parlamentar.

Mais votada em Roraima

Em agosto, Shéridan, o ex-governador Anchieta e o comandante da Polícia Militar de Roraima, Edison Prola, tiveram R$ 40 mil bloqueados pela Justiça de Roraima sob acusação de terem usado, em 2010, um avião do governo para trazer o funkeiro MC Sapão ao Estado. Ele teria sido contratado para se apresentar na festa de aniversário da hoje deputada federal, e Prola teria autorizado a viagem como então secretário estadual da Casa Civil. Shéridan, Anchieta e Prola respondem a processo de improbidade administrativa.

A deputada federal ganhou o cargo pela primeira vez nas eleições de 2014. Ela foi a candidata mais votada de Roraima, tendo recebido 35 mil votos, o que representou quase 15% dos votos válidos para deputado federal no Estado.

Em agosto, Shéridan relatou a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) 282/2016 na Câmara, que previa originalmente o fim das coligações partidárias nas eleições proporcionais (deputados e vereadores) já em 2018 e a instituição de uma cláusula de desempenho mínimo para que partidos tenham acesso ao fundo partidário.

A medida acabou sofrendo alterações e foi parcialmente aprovada. O fim das coligações em eleições proporcionais ficou para 2020. Já a cláusula de desempenho entra em vigor no ano que vem, começando com 1,5% dos votos válidos em todo o país e nove deputados federais eleitos.

Veja também:





UOL
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...