quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Fachin bloqueia R$ 13 milhões de Geddel e abre outro inquérito contra a família dele


Imagem: Reprodução
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, determinou nesta quarta-feira (6) o bloqueio de R$ 13 milhões das empresas do ex-ministro Geddel Vieira Lima, do irmão dele, o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), e da mãe de ambos, Marluce Vieira Lima.

Fachin atendeu a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), baseado em argumentação de que o montante é, na verdade, objeto de lavagem de dinheiro da família de Geddel por meio das empresas GVL Empreendimentos, M&M Empreendimentos, Vespasiano Empreendimentos e Cosbat Construção e Engenharia.



O pedido foi feito dentro da denúncia apresentada pela PGR nesta semana contra Geddel, Lúcio e outras quatro pessoas. A denúncia está relacionada à apreensão, pela Polícia Federal, de R$ 51 milhões em dinheiro vivo atribuídos a Geddel, encontrados em malas em um apartamento de Salvador. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, quer ainda que os irmãos paguem indenização de R$ 51 milhões por danos morais coletivos.

Leia também: 
URGENTE: STJ recebe denúncia contra Pimentel

Na decisão, o ministro Fachin pontuou que "ressoam indícios de que os denunciados aplicaram altos valores em investimentos no mercado imobiliário, tanto que confirmada a aquisição, perante a empresa Cosbat - Construção e Engenharia, de várias cotas de participação em imóveis em construção no Estado da Bahia”.

Segundo investigação, as empresas funcionariam apenas para lavagem de dinheiro, uma vez que nenhuma delas detêm automóveis, imóveis ou empregados, além de serem todas registradas no mesmo endereço. 

Apropriação de salário

Na mesma decisão, Fachin determinou a abertura de novo inquérito para apurar se a família de Geddel se apropriou indevidamente de salários de funcionários da Câmara dos Deputados. 

De acordo com o ex-assessor parlamentar do deputado Lúcio Vieira Lima e do seu irmão Geddel, Job Ribeiro Brandão afirmou que tinha um acordo para devolver 80% do seu salário aos peemedebistas, o que daria aproximadamente R$ 8 mil mensais. Os recursos eram entregues em dinheiro vivo por Job.

Veja também: 






Bárbara Lobato
Gazeta do Povo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...