sábado, 23 de dezembro de 2017

Grupo de especialistas cobra votação impressa em 100% das urnas e critica TSE


Imagem: Marcelo Camargo / ABr
Especialistas que discutem a segurança da urna eletrônica querem entender por que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) alega que não conseguirá implementar o voto impresso em todo o país a partir do ano que vem.



Na segunda-feira (18), o ministro presidente da Corte, Gilmar Mendes, afirmou que “há limitações técnicas para atendimento do que está na lei” e que, em 2018, somente 30 mil urnas — 5% do total — estarão adaptadas para a votação impressa.

Leia também: 

Em documento encaminhado na quinta-feira (21) ao TSE, o Comitê Multidisciplinar Independente alega que as urnas fabricadas a partir de 2009 têm capacidade para acoplar impressora e questiona o cálculo oficial de R$ 2,5 bilhões para impressão.

Assim, o grupo defende que o Orçamento de 2018 — que prevê R$ 250 milhões para implementação do voto impresso — seria suficiente para habilitar todas as urnas eletrônicas do país.

“Eles têm R$ 250 milhões para comprar 30 mil impressoras, o que dá R$ 8 mil para cada. Eu acho que vai chover empresa querendo participar da licitação”, critica a advogada Maria Aparecida Cortiz, que assina o documento com o professor de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Pedro Rezende.

“Por que o TSE alega problemas técnicos? O TSE não sabe fazer eleição? O TSE desconhece a tecnologia do voto impresso? Se for isso, eles precisam passar [essa função] a outro órgão.”

Em nota, o TSE informou que a implementação do voto impresso foi discutida em audiência pública e que, devido ao recesso de fim de ano, “pessoas que respondem por esse assunto não estão no Tribunal”.

Veja também:




Thaísa Oliveira
Gazeta do Povo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...