segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Josias de Souza esculacha sindicato de jornalistas que defendeu Lula: 'espantosa época a atual, em que uma entidade jornalística abdica dos fatos'


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O colunista Josias de Souza atacou impiedosamente a Federação Nacional dos Jornalistas por emitir uma nota oficial em defesa de Lula sem levar em consideração os fatos: "Espantosa época a atual, em que uma entidade jornalística abdica dos fatos".



Leia abaixo o texto de Josias de Souza: 


A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) divulgou nesta segunda-feira (22) uma nota oficial. O título anota: “Em defesa da Democracia e do Estado Democrático de Direito.” Mas o texto contém, na verdade, uma enfática defesa de Lula. Quem lê o documento descobre que, para a entidade máxima do sindicalismo jornalístico, democracia é um outro nome para a absolvição de Lula. Um veredicto adverso no julgamento do recurso do pajé do PT no TRF-4 seria uma “farsa judicial”, urdida com o deliberado propósito de retirar o réu da disputa presidencial.
Leia também: 

Ecoando acriticamente o discurso do petismo, a Fenaj escreveu: “O julgamento do ex-presidente, a ser feito pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, na próxima quarta-feira, vai entrar para a história do Brasil sob duas hipóteses: ou como farsa judicial ou como restabelecimento do Estado Democrático de Direito, abalado pelo golpe [leia-se impeachment de Dilma Rousseff]. Diante da importância desse fato, a Federação Nacional dos Jornalistas vem a público defender a democracia e o Estado Democrático de Direito.”
Para a Fenaj, já vigora no Brasil um “Estado de Exceção”. A entidade enxerga na deposição de Dilma pelo Legislativo e na sentença de nove anos e meio de cadeia que Sergio Moro impôs a Lula uma reedição dos “julgamentos farsescos” realizados durante a ditadura militar para “condenar opositores.” Diz o texto: ''Nesse novo golpe, o Judiciário tem sido suporte para ações nitidamente políticas, como a própria deposição da presidenta Dilma e a condenação, sem provas, em primeira instância, do ex-presidente Lula.''
Não há no documento da entidade dos jornalistas uma mísera referência à corrupção endêmica que carcome a máquina estatal brasileira desde o mensalão. Nenhuma palavra sobre o assalto à Petrobras e a outras arcas públicas. Nem sinal de referências à ausência de explicações para os confortos de Lula, a conversão do ex-operário em milionário, suas relações promíscuas com empreiteiras confessadamente corruptas, as revelações constrangedoras feitas por companheiros como Antonio Palocci. Nada!
A Fenaj se espanta cada vez menos. Tornou-se uma entidade de pouquíssimos espantos. Se esfregarem no nariz dos seus dirigentes escândalos em série, nenhum deles fará a concessão de uma surpresa. É assalto? Pois que tenha proporções amazômicas. Com a anuência do Judiciário. E a complacência dos jornalistas, convidados pela entidade a “atuarem na cobertura do julgamento com a necessária ética e responsabilidade profissional.” Roga-se à imprensa, com outras palavras, que pare de imprensar.
Numa evidência adicional de que o absurdo adquiriu para a Fenaj uma doce e persuasiva naturalidade, o texto compara o drama penal de Lula, processado por grossa ladroagem, à saga de personagens como Nelson Mandela. Um responde a nove processos criminais por corrupção, lavagem de dinheiro e obstrução à Justiça. Outro foi enjaulado por combater a segregação racial.
Espantosa época a atual, em que uma entidade jornalística abdica dos fatos. Se Deus intimasse os sindicalistas da Fenaj a optar entre o jornalismo e o adesismo, ouviria uma resposta fulminante: “Morra o jornalismo!”

 Veja  também: 







Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...