domingo, 25 de fevereiro de 2018

Policiais federais querem montar 'bancada da Lava-Jato' no Congresso


O 'lenhador da Federal' (esq.) é um dos candidatos
Imagem: Michael Melo / AFP
Surfando na popularidade da Operação Lava-Jato, entidades sindicais de policiais federais vêm estimulando candidaturas de agentes na próxima eleição. Até o momento, já são 22 pré-candidatos em 17 estados e no Distrito Federal. Além do combate à corrupção, o grupo defende reformas na área de segurança pública. Porém, parte dos candidatos irá concorrer por partidos implicados na Lava-Jato.

As articulações surgiram após um resultado positivo na eleição de 2016, quando o número de policiais federais eleitos cresceu de sete para 24. Parte dos nomes apoiados pelas entidades de classe já está na política. É o caso dos deputados federais Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) e Aluísio Mendes (Podemos-MA). Segundo Luís Antônio de Araujo Boudens, presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), dez legendas o procuraram oferecendo filiação em massa. A meta “otimista”, admite, é eleger seis deputados federais.

Leia também: 
Moro ordena nova perícia sobre sistemas de propina da Odebrecht, agora na ação do sítio de Atibaia

— A maioria dos candidatos deve ir para siglas como Podemos, PSL, Rede e Patriotas. Os partidos que mais se aproximaram foram justamente esses que têm quase nenhum envolvimento (em corrupção) — afirma.

Parte dos candidatos, no entanto, deve disputar vagas no Congresso ou em assembleias legislativas por partidos implicados na Lava-Jato. Há candidatos filiados a PSDB, PR, PTB e PSD, todos com políticos citados na operação. Pré-candidato a deputado estadual, André Salineiro (PSDB-MS), vereador mais votado de Campo Grande (MS), minimiza as denúncias contra seu partido.

— Realmente nós (policiais federais) temos candidatos em siglas que estão envolvidas em escândalos. Eu defendo que o eleitor acredite em pessoas, e não nos partidos, porque eu não acredito neles —afirma.

Para se elegerem, os candidatos da PF vão precisar de apoio fora da corporação, que conta com cerca de 14 mil integrantes, segundo dados do Portal da Transparência da União. Para isso, eles devem centrar o discurso em uma plataforma mínima, discutida com as entidades de classe, e focar suas campanhas em temas populares, como melhoria na segurança pública e, mais que tudo, o combate à corrupção. Pesquisa do Ibope mostra que a popularidade da PF aumentou com a Lava-Jato: hoje a corporação é aprovada por 70% dos brasileiros, atrás apenas das igrejas e dos bombeiros.

— A sociedade aposta nos policiais federais para fazer o combate à corrupção de dentro da política — prega Boudens.

DA FAMA ÀS URNAS

Um dos nomes cotados para disputar uma vaga na Câmara é Lucas Valença, que ficou nacionalmente conhecido como o “hipster da Federal” ao participar da operação que prendeu o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Assim que as primeiras fotos da transferência do peemedebista ganharam as redes sociais, ele fez sucesso por conta do visual exótico para um policial, de barba e coque no cabelo. Segundo ele, a ideia de entrar na política surgiu já no dia seguinte, por sugestão de um amigo. Filiado ao Novo, Valença ainda não decidiu se disputará a eleição, mas quer “trabalhar pela polícia e em prol da Lava-Jato” e não vê problema em candidatos usarem o apoio popular à operação.

— Veria isso como algo negativo se fosse feito por pessoas desonestas. Não vejo como pode ser ruim aproveitar a oportunidade da Lava-Jato para colocar pessoas de bem lá (no Congresso) — afirma o policial.

A principal dúvida é qual dos apelidos Valença vai utilizar em campanha. Ele diz que deve optar por “Lenhador da Federal”.

Entre as mudanças apoiadas pelo movimento está a PEC 51, que desmilitariza as polícias e enfrenta forte oposição da chamada bancada da bala na Câmara dos Deputados. É o que explica Sandro Araújo (PPS-RJ), vereador em Niterói e pré-candidato a deputado federal:

— Não acreditamos na lógica de que bandido bom é bandido morto.

Veja também: 




Igor Mello e Stéfane Salles

O Globo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...