domingo, 25 de fevereiro de 2018

Tropa de elite do Exército, os 'Fantasmas' chegam ao Rio e assumem linha de frente da intervenção


Imagem: Divulgação / Exército Brasileiro
Uma tropa que recebe treinamento de alto nível, com sede em Goiânia, chegou ao Rio para ficar na linha de frente da intervenção federal na área da segurança pública do estado, sob o comando do general Walter Souza Braga Netto. Na caserna, entre os militares, seus integrantes são chamados de “fantasmas” por atuarem nas sombras, em operações sempre cercadas de sigilo. O Batalhão de Forças Especiais do Exército conta com aproximadamente 2 mil homens. Não raro, eles são comparados aos Navy Seals da Marinha americana, que mataram Osama bin Laden no Paquistão em 2011. Esses militares, preparados para ações antiterror, têm nas mãos uma missão muito difícil: expulsar o tráfico e as milícias de algumas favelas cariocas.


Leia também:

Coronel da reserva e ex-integrante das Forças Especiais, Fernando Montenegro coordenou a ocupação do Complexo do Alemão, em 2010. Ele explica que o grupo tem um nível de preparo muito superior à média da tropa do Exército. Além de táticas de guerrilha, os “fantasmas” aprendem estratégias de combate à criminalidade urbana durante o período de formação: fazem treinamentos com oficiais do Bope da PM e com militares de unidades especiais de outros países.

É por isso que se espera, nas ruas, um resultado muito diferente dos obtidos até agora pelas operações de Garantia da Lei e da Ordem no Rio. Os integrantes das Forças Especiais passam por um rígido processo de seleção no Forte Imbuí, em Niterói, antes de seguirem para um mínimo de cinco anos de preparação em Goiânia.

— É incomparável a qualidade deles. Eles alcançam uma qualificação extrema não só em nível tático, recebem treinamento de ponta para ações de alto risco em áreas urbanas. Trabalham com inteligência e entendem como funcionam as forças de sustentação de uma guerrilha — afirma Montenegro, acrescentando que a formação visa, em condições normais, a proteger o país contra invasões. — É um treinamento que capacita o militar a suportar situações extremas. Cada integrante das Forças Especiais tem um nível de conhecimento que o permite planejar sabotagens em grandes instalações e até produzir explosivos de forma improvisada.

O símbolo das Forças Especiais foi criado para passar a imagem de que seus homens são os mais temidos do Exército. No brasão dos FEs, como são chamados, aparece uma mão empunhando uma faca. Não por acaso, ela está com uma luva, referência às ações sempre discretas, que não deixam rastros. A lâmina está manchada de vermelho. Até mesmo o fundo do desenho, na cor preta, tem um significado: a tropa, preferencialmente, age à noite. O primeiro grupo de FEs desembarcou no Rio no último dia 16, e, na madrugada de sexta-feira, fez uma incursão à Vila Kennedy antes da chegada de 3 mil homens do Exército à comunidade.

Preparo para ação em área de mata

Os FEs integram uma unidade do Comando da Brigada de Operações Especiais do Exército, que tem em seu brasão uma faca enfiada numa caveira, desenho que inspirou o símbolo do Bope. Mas, enquanto os homens do batalhão da PM inspiraram os filmes da franquia “Tropa de elite”, os FEs atuam cercados de mistérios. Fontes ouvidas pelo GLOBO revelam que eles são submetidos a situações extremas durante o processo de formação: chegam, por exemplo, a ser atacados por veteranos que usam óculos de visão noturna em salas escuras, onde os novatos têm o desafio de encontrar uma saída enquanto tentam reagir.

Só militares de carreira podem ser FEs. Se o candidato à tropa de elite do Exército for um sargento, além do período de cinco anos na Academia Militar, ele precisará de mais dois para concluir sua formação. Há ainda três cursos obrigatórios. O primeiro é o básico de paraquedista, que dura seis semanas. Em seguida, começa o de comandos, com carga horária de 800 horas, distribuídas ao longo de quatro meses, durante os quais são ensinadas técnicas de uso de explosivos e de combate e infiltração. A etapa final exige 1.200 horas de treinamento, num período de cinco meses.

Montenegro diz que, por mais estranho que possa parecer, a aptidão dos FEs para combates na selva poderá fazer a diferença no Rio:

— Há vários treinamentos que, à primeira vista, parecem não fazer sentido no contexto atual, como salto de paraquedas e mergulho. Mas, no Rio, há grandes extensões de mata nos morros. A polícia não possui a capacidade dos “fantasmas” para atuar nessas áreas. As Forças Especiais têm preparo e equipamentos para isso, como óculos que detectam movimentos em meio à escuridão. Especialistas em helicópteros, eles também têm a habilidade de um sniper para atirar de uma aeronave.

Leia também: 

Os FEs são treinados para atuar com discrição absoluta, mas a tropa especial já foi acusada de perder o controle da situação e provocar uma explosão de violência. A tropa foi colocada sob suspeita de envolvimento na morte de oito pessoas no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, em novembro do ano passado. O Comando Militar do Leste, no entanto, nega a participação de “fantasmas” no caso.

Elite do Exército já passou pelos complexos do Alemão e da Maré

Os “fantasmas” do Exército brasileiro atuaram em diversas ações no Rio nos últimos anos. Ao contrário de outras tropas, eles preferem não dar publicidade às suas ações. De acordo com o coronel da reserva Fernando Montenegro, os FEs agiram durante a ocupação do Complexo da Maré pelas Forças Armadas, entre 2014 e 2015. O coronel, que coordenou ações do Exército na região, afirma que os FEs tiveram papel importante. O Centro de Comunicação Social do Exército informou que o grupo também fez trabalhos no Complexo do Alemão, entre 2010 e 2012.

— Foram usadas equipes das Forças Especiais do Exército e da Marinha. Eles atuam em situações pontuais e muito significativas. Mas essa é uma tropa que faz questão de não aparecer. Os FEs realizam a operação, mas quem colhe os louros são outros. Muitas operações que entraram na conta de outras unidades foram feitas e articuladas pela tropa das Forças Especiais. A filosofia é fazer a operação para ter o resultado — observa Montenegro.

Segundo o Ccomsex, a tropa de elite também participou de todos os grandes eventos internacionais que ocorreram no Brasil nos últimos anos. Eles foram empregados no Pan-Americano, nos Jogos Mundiais Militares, na Jornada Mundial da Juventude, durante a visita do Papa, na Rio+20, na reunião da cúpula do Mercosul, na Copa das Confederações, na Copa do Mundo, e durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Em todos os eventos, seus integrantes tiveram papel fundamental na estratégia de prevenção e combate ao terrorismo. Lá fora, os FEs participaram de operações especiais integrando as forças da ONU no Haiti, além de ações em Kinshasa, na República Democrática do Congo; e em Abidjan, na Costa do Marfim, fazendo a segurança da representação diplomática brasileira até a retirada dos brasileiros da região.

Ex-subcomandante do Batalhão de Forças Especiais, o coronel da reserva Roberto Criscuoli chama os FEs de multiplicadores, pela sua capacidade de atuarem no lugar de dezenas de militares comuns. Criscuoli, que foi colega de turma, no curso dos FEs, do general de divisão Mauro Sinott Lopes, braço direito do interventor federal general de Exército Braga Netto, se arrisca a dizer que uma outra vantagem do grupo é ser focado apenas na missão, com índice zero de corrupção.

— O maior desafio do interventor federal, sem dúvidas, será a corrupção nas polícias. Os FEs são blindados para não haver desvios de conduta. É uma tropa que consegue fazer com que as pessoas cooperem com a missão e confie nela. Uma das vantagens que Braga Netto terá com o emprego dos Forças Especiais é que ele fará muita coisa com um pequeno grupo de militares altamente qualificados, que não escolhem a tarefa — diz Criscuoli. — Não é a toa que o nosso lema é: “o ideal como motivação; a abnegação como rotina; o perigo como irmão e a morte como companheira” — conclui, lembrando que a própria tropa militar comum está corrompida.

A transferência das Forças Especiais do Rio para Goiânia, na década de 1990, ocorreu justamente por causa do assédio de traficantes cariocas a militares e ex-integrantes da tropa. Em 2004, o Exército criou a Brigada de Operações Especiais, atual Comando de Operações Especiais, que reúne o 1º Batalhão de Forças Especiais, o 1° Batalhão de Ações de Comandos, o 1° Batalhão de Operações Psicológicas e a 1° Companhia de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear.

Militares, segundo especialistas, estão bem preparados, mas verba para armas e veículos diminuiu

O preparo dos militares mobilizados para a intervenção federal é reconhecido por especialistas em forças de segurança, mas parte dos equipamentos da tropa está defasada. No ano passado, o investimento do Exército em material para operações foi o menor desde 2010: R$ 619,1 milhões. Em 2014, época de Copa do Mundo e de preparativos para a Olimpíada de 2016, os gastos com armamento, veículos e utensílios de apoio chegaram a R$ 2,47 bilhões.

Hoje, a tropa convocada para combater a violência no Rio tem à disposição tanto um fuzil de última geração, o IA2, como um que o Exército usa desde a década de 1950, o FAL.

— Isso é um problema porque exige, na intervenção, duas cadeias diferentes de suprimento de munição e peças de reposição — diz o coronel da reserva Fernando Montenegro.

Uma das prioridades do Exército é substituir sua frota de veículos Urutu, dos anos 1970, pelo modelo Guarani.

— A blindagem do Guarani é superior, assim como sua mobilidade em terrenos acidentados. Mas o Urutu não é sucata, pode ter boa utilização nas operações no Rio — afirma Vinicius Cavalcante, diretor da Associação Brasileira de Profissionais de Segurança (Abseg).

Veja também: 




Vera Araújo, Fábio Teixeira e Rafael Galdo

O Globo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...