segunda-feira, 12 de março de 2018

Bumlai relatou à PF reunião com Delfim em hotel de luxo para tratar de Belo Monte


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O pecuarista José Carlos Bumlai relatou à Polícia Federal que encontrou-se com o ex-ministro Antonio Delfim Netto (Fazenda/ditadura militar), alvo maior da Operação Buona Fortuna, fase 49 da Lava Jato, no hotel Maksoud Plaza, em São Paulo, em meados de 2010. Na pauta da reunião, a construção da Usina de Belo Monte.


A Buona Fortuna, deflagrada nesta sexta-feira, 9, fez buscas na casa e no escritório de Delfim Netto. A Operação Lava Jato afirma que o poderoso ex-ministro do milagre econômico recebeu R$ 15 milhões em propinas de empreiteiras que fizeram parte das obras da usina. Deste total, R$ 4,4 milhões já foram rastreados.

Leia também: 

O depoimento de Bumlai foi prestado em 21 de dezembro de 2015. Ele relatou que, cinco anos antes, havia recebido ‘um telefonema de Antonio Delfim Netto ou de Delcídio do Amaral (ex-senador)’ solicitando que ele fosse a uma reunião em ‘um quarto no hotel Maksoud Plaza’.

“Dias após, no hotel, estavam presentes Delcídio do Amaral, Antonio Delfim Netto e Luiz Appolonio Neto (sobrinho do ex-ministro da ditadura); que a presença do reinterrogando (Bumlai) se devia ao fato de que possuía ampla experiência no setor de engenharia hidráulica”, contou à PF.

Bumlai disse que foram discutidos ‘assuntos políticos diversos’. Segundo o pecuarista, Delfim Netto falou sobre ‘a questão da formação de consórcios envolvendo a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte’.

“Delfim disse ao reinterrogando que o governo tinha interesse em montar um segundo consórcio; que Delfim disse que teria sido procurado para montar o segundo consórcio e que este tentaria economizar R$ 15 bilhões para a obra; diante deste panorama Delfim pediu que o reinterrogando lhe ajudasse”, narrou Bumlai.

Delfim Netto, afirmou o pecuarista, disse que mandaria uma pessoa conversar com ele sobre a formação do consórcio. À Polícia Federal, o pecuarista disse que se encontrou com um empresário que lhe ofereceu ‘uma cota do negócio’. Bumlai declarou que ‘prontamente recusou’.

“Após a ocorrência do leilão o reinterrogando se afastou do cenário”, aponta o depoimento.

José Carlos Bumlai declarou à PF que ‘um amigo’ contou a ele ‘que Delfim Netto teria recebido um percentual de comissão pela formação do consórcio’. O pecuarista relatou que, após saber da ‘comissão’ a Delfim, ‘solicitou a designação de uma reunião’ com um executivo da Andrade Gutierrez.

“A reunião tinha por objetivo que o reinterrogando perguntar ao presidente da Andrade Gutierrez Energia se tinha sido pago comissão a Antonio Delfim Netto; que o reinterrogando desejava cobrar o pagamento de comissão para ele, uma vez que também teve participação na formação do consórcio”, narrou Bumlai.

Segundo o pecuarista, o executivo da Andrade Gutierrez ‘disse que já tinha cumprido todos os compromissos referentes à construção da Usina de Belo Monte, inclusive os de cunho político’.

Na avaliação, do procurador Athayde Ribeiro Costa, da força-tarefa da Lava Jato, a ‘consultoria’ do ex-ministro Delfim Netto ‘na verdade constituiu uma fraude ao leilão’. Segundo o procurador, ‘não se apurou vantagem indevida’ a Bumlai, que não foi alvo da Buona Fortuna.

“Delfim Netto, em conjunto a Bumlai, ajudou o governo federal a estruturar o consórcio Norte Energia, que foi formado por diversas empresas que a rigor não teriam capacidade para o empreendimento. Em virtude dessa ajuda que, na verdade, constituiu uma fraude ao leilão, Delfim Netto foi angariado com o direcionamento das vantagens indevidas que (Antonio) Palocci (ex-ministro dos Governos Lula e Dilma) havia pedido ao PT e ao MDB”, declarou o Athayde Ribeiro Costa.

COM A PALAVRA, OS ADVOGADOS FERNANDO ARANEO, RICARDO TOSTO E JORGE NEMR, QUE DEFENDEM DELFIM NETTO

O professor Delfim Netto não ocupa cargo público desde 2006 e não cometeu nenhum ato ilícito em qualquer tempo. Os valores que recebeu foram honorários por consultoria prestada.

COM A PALAVRA, LUIZ APPOLONIO NETO

A defesa de Luiz Appolonio Neto, representada pelo advogado Fernando Araneo, sócio do Leite, Tosto e Barros Advogados, “refuta veementemente as acusações e esclarece que sua vida profissional sempre foi pautada pela legalidade”.

COM A PALAVRA, O MDB

O MDB não recebeu propina nem recursos desviados no Consórcio Norte Energia. Lamenta que uma pessoa da importância do ex-deputado Delfim Netto esteja indevidamente citado no processo. Assim, como em outras investigações, o MDB acredita que a verdade aparecerá no final.

COM A PALAVRA, O PT

LAVA JATO ATACA O PT NO ANO ELEITORAL
As acusações dos procuradores da Lava Jato ao PT, na investigação sobre a usina de Belo Monte, não têm o menor fundamento. Na medida em que se aproximam as eleições, eles tentam criminalizar o partido, usando a palavra de delatores que buscam benefícios penais e financeiros.
Brasília, 9 de março de 2018.
Assessoria de Imprensa do Partido dos Trabalhadores

COM A PALAVRA, ODEBRECHT

A Odebrecht está colaborando com a Justiça no Brasil e nos países em que atua. Já reconheceu os seus erros, pediu desculpas públicas, assinou um Acordo de Leniência com as autoridades do Brasil, Estados Unidos, Suíça, República Dominicana, Equador, Panamá e Guatemala, e está comprometida a combater e não tolerar a corrupção em quaisquer de suas formas.

Veja também: 





Julia Affonso e Ricardo Brandt
O Estado de S. Paulo
Editado por Política na Rede 
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...