sábado, 3 de março de 2018

Justiça converte a prisão de ex-diretor do DER-PR e de mais quatro investigados da Lava Jato para preventiva


Imagem: Reprodução/ RPC Curitiba
A juíza substituta Gabriela Hardt decidiu converter a prisão temporária de de cinco dos seis investigados na 48ª fase da Operação Lava Jato, entre eles o ex-diretor do Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná (DER-PR) Nelson Leal Júnior, para preventiva.

As prisões temporárias foram prorrogadas inicialmente por cinco dias e vencem nesta sexta (2). A decisão da conversão para preventiva foi publicada no sistema da Justiça Federal do Paraná no início da noite.

Batizada de Integração, a atual fase apura crimes como corrupção, fraude a licitações e lavagem de dinheiro na gestão das concessões de rodovias federais no Paraná.

Leia também: 

Nelson Leal Júnior é suspeito de usar o cargo que ocupava para editar atos em favor das concessionárias. Após a prisão, ele foi afastado do cargo por determinação do juiz Sérgio Moro.

Além do ex-diretor do DER, também tiveram a preventiva decretada:

  • Oscar Alberto Gayer da Silva - ex-funcionário do DER-PR;
  • Wellington de Melo Volpato - sócio da Eco Sul Brasil Construtora;
  • Hélio Ogama - diretor-presidente da Triunfo Econorte;
  • Leonardo Guerra - administrador da empresa Rio Tibagi.


O funcionário da Econorte Sandro Antônio de Lima, teve o alvará de soltura determinado pela juíza.

Segundo ela, não foram localizados indícios de que o funcionário tenha se beneficiado financeiramente do esquema investigado. Apesar da liberdade, Sandro terá que cumprir várias medidas cautelares, entre elas não deixar o país e não ocupar a função de direção em empresas estatais.

Desde o início das investigações, o Ministério Público Federal (MPF) havia pedido a preventiva de todos os investigados.

Operação Integração

Além dos seis mandados de prisão, a Polícia Federal (PF) cumpriu 55 mandados de busca e apreensão; a Casa Civil, na sede do governo estadual, foi um dos alvos.

De acordo com a investigação, o valor do pedágio foi superfaturado para financiar a corrupção. Nelson Leal, então diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná (DER-PR), é suspeito de usar o cargo que ocupava para editar atos em favor das concessionárias.

Conforme o MPF, a investigação mostra "reais causas" de alto preço do pedágio no Paraná.

O que diz a defesa

O advogado Beno Brandão, que defende Nelson Leal Júnior, disse que está analisando o teor da decisão e que, por enquanto, não vai se manifestar.

O advogado de Oscar Alberto Gayer da Silva Walter Bittar disse que fez um requerimento para que o seu cliente pudesse prestar depoimento, mas ele não foi ouvido. "Nunca vi isso, prenderem sem ouvir o investigado. Isso é um absurdo", disse Bittar.

A defesa de Hélio Ogama, representada pelo advogado Gabriel Bertin, preferiu não se manifestar sobre o assunto.

O advogado Rodrigo Antunes, que defende Leonardo Guerra, disse que ainda não teve acesso aos autos e preferiu não se manifestar. 

O G1 tenta contato com a defesa de Wellington de Melo Volpato.

Veja também: 




Adriana Justi
G1
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...