quinta-feira, 29 de março de 2018

Prisões de amigos de Temer provocam perplexidade no Planalto


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
A operação Skala da Polícia Federal que prendeu amigos próximos do presidente Michel Temer – o advogado José Yunes, ex-ministro Wagner Rossi e o coronel aposentado João Batista Lima – caiu como uma bomba no Palácio do Planalto.

Auxiliares mais próximos de Temer não escondem a perplexidade com as prisões. E já reconhecem que isso terá forte impacto nos planos do governo de criar uma agenda positiva para lançar a candidatura de Temer à reeleição.

Leia também: 
Moro critica defesa de Lula: 'não cabe apresentar teses da espécie e esperar que sejam levadas a sério'
Senadora Ana Amélia enfrenta petistas: 'não vão me transformar em bode expiatório'

“A Polícia Federal prendeu o círculo mais próximo de Temer. É uma tentativa de emparedar o presidente”, disse ao Blog um auxiliar próximo.

A operação pegou o Palácio do Planalto de surpresa na véspera do feriado da Páscoa. Mas de forma reservada, a avaliação é que as prisões têm efeito explosivo.

O grande temor no Planalto é que o avanço dessa investigação possa culminar com uma nova denúncia contra Temer, o que paralisaria em definitivo o governo.

Há o reconhecimento interno de que o presidente Michel Temer já está esvaziado e que, por isso, uma nova denúncia deixaria o governo completamente refém dos aliados.

O reflexo imediato será a paralisia da pauta econômica no Congresso Nacional. E a dificuldade para concluir a reforma ministerial.

“A lógica do governo era cobrar fidelidade dos partidos. Só manteria ministério a legenda que apoiasse o Temer. Agora, a lógica se inverteu. O que está em jogo é a sobrevivência do Temer”, disse um aliado.

Veja também:





Gerson Camarotti
Blog do Camarotti
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...