quarta-feira, 4 de abril de 2018

Atos pró-Lula podem ser mais radicais se habeas corpus for negado, ameaça coordenador do MST


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Lideranças do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) articulam uma mobilização nacional com sindicatos e movimentos operários caso o habeas corpus preventivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) seja negado, nesta quarta-feira, 4, pelo Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com João Paulo Rodrigues, integrante da coordenação nacional do MST, a forma de mobilização vai depender do que for decidido e tende a ser mais radical se houver a prisão de Lula.


As mobilizações podem começar logo após o julgamento. “Há uma tendência geral de se ter um 'abril vermelho' ao quadrado, em caso de insucesso da defesa do Lula”, disse Rodrigues. "Abril vermelho" foi o nome dado por João Pedro Stédile, líder maior do "movimento", à "jornada" de trancamento de rodovias, invasões de fazendas e prédios públicos que acontece neste mês, quando a milícia lembra o assassinato de 19 sem-terra pela polícia do Pará, em 1996, no episódio que ficou conhecido como o massacre de Eldorado dos Carajás.

Leia também: 

De acordo com Rodrigues, não será uma mobilização exclusiva da militância. “Vamos ter o respaldo de quem vota no Lula, que continua liderando tudo o que é pesquisa. A luta de classes aberta em torno do Lula é uma oportunidade para as forças populares articularem a defesa da democracia com a luta social”, disse.

Rodrigues avalia que, se a decisão do STF for favorável ao ex-presidente, não haverá comemoração nas ruas. “Não vamos soltar foguetes, nem provocar. Nós estamos acreditando que a Suprema Corte terá o devido cuidado de dar a Lula o direito de recorrer em liberdade, que é uma coisa básica para a democracia. Mas se houver um resultado adverso, vamos às ruas lutar pela liberdade dele e pelo respeito à Constituição.”

O dirigente nacional do MST, Alexandre Conceição, viajou a Brasília nesta terça-feira, 3, para acompanhar a votação no Supremo. Segundo ele, a militância participa das mobilizações convocadas pela Frente Brasil Popular, da qual o MST faz parte. “Estamos nos organizando, sim, para combater o fascismo dos ruralistas e exigir justiça no Supremo. Que o STF não se apequene”, disse.

Veja também:





José Maria Tomazela
O Estado de S.Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...