quinta-feira, 17 de maio de 2018

Em reação a Bolsonaro, Alckmin defende facilitar porte de armas no campo


Imagem: Zanone Fraissat / Folhapress
Em meio à adesão de setores rurais à candidatura presidencial de Jair Bolsonaro (PSL), o tucano Geraldo Alckmin admitiu pela primeira vez nesta quinta-feira (17) facilitar o porte de armas no campo.

“Claro que porte de arma pode ter, na área rural, até deve ser facilitado. Porque as pessoas estão mais distantes”, disse o pré-candidato a presidente pelo PSDB.

“Se mora isolado, fica alvo fácil. No agro hoje, as coisas são caras, equipamentos têm valores impressionantes. Então você atrai quadrilha”, afirmou.

Leia também: 

Segundo sua equipe, está em estudo pelo especialista Leandro Piquet Carneiro, que coordena a área na campanha, formas de, por exemplo, regularizar o porte de pessoas que já tenham armas ilegais.

“Vamos estudar tudo isso com detalhes. Não quero entrar nessa miudeza eleitoral. Precisamos verificar com seriedade. Ele [Bolsonaro] defenda lá as teses dele”, rebateu Alckmin.

Apesar da inflexão, o tucano fez ponderações à defesa do porte civil de armas encampada por diversos presidenciáveis.

“Temos que tirar a arma da mão do bandido. [Armar a população] não é o caminho para você trazer segurança no campo. Precisa ter investigação, ação de inteligência”, afirmou.

As declarações foram dadas durante anúncio de Edmar Bacha, Alexandre e José Roberto Mendonça de Barros na equipe econômica da campanha.

Mendonça de Barros pai e filho são responsáveis pelo setor agrícola da campanha. Eles falaram em falsas dicotomias como o antagonismo entre o agronegócio e o respeito ambiental e a separação dos setores de serviço, indústria e agronegócio.

Em relação aos questionamentos sobre a viabilidade de sua candidatura, em meio à piora nas pesquisas e desgaste do PSDB, Alckmin desta vez reconheceu adversidades.

“Pesquisa eleitoral influencia as pessoas”, afirmou o ex-governador. “Mas só terá mudança quando tiver campanha na TV e rádio”, justificou citando o desinteresse da população na eleição.

A equipe econômica, liderada por Persio Arida, falou em aumentar em 50% as importações e exportações brasileiras e atrair o capital externo e nacional.

“O argumento de setores estratégicos [que não devem ser abertos a investimento estrangeiro] normalmente é usado para defender o atraso”, criticou Arida.

Veja também:




Thais Bilenky
Folha de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...