sexta-feira, 25 de maio de 2018

'Vai correr sangue', diz líder dos caminhoneiros sobre ação militar


Imagem: Felipe Rau / Estadão
O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, classificou como tardio o pronunciamento do presidente Michel Temer para tentar solucionar a crise de abastecimento gerada pela paralisação dos motoristas. Para o líder da entidade que não concordou com o acordo firmado na quinta-feira, 24, o uso da força citado por Temer vai tornar ainda mais difícil o fim da paralisação.

Leia também: 

"O uso da força vai tornar ainda mais difícil acabar com a mobilização porque essa estratégia vai gerar resistência", disse o presidente da entidade ao Broadcast. Para Fonseca, se forças de segurança tentarem retirar caminhoneiros à força, "haverá gente presa, machucada e muita confusão". 

"Essa foi uma reação tardia e acontece cinco dias após o início do movimento. A situação não precisaria do uso da força para ser resolvida", disse. Fonseca rejeita a afirmação de Temer que apenas uma "minoria radical" segue na estradas. "O número de manifestantes mostra que não somos minoria. Ao contrário, somos a maioria do movimento e que não está de satisfeito com o acordo feito ontem", disse o dirigente.

Veja também:





Fernando Nakagawa
O Estado de S.Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...