segunda-feira, 23 de julho de 2018

General Heleno desmente jornalistas da grande mídia: "uma parte da imprensa, além de ser especialista em 'fake news', se especializou em 'lixo news'"; assista


Imagem: Reprodução / Youtube
O general Augusto Heleno, participando da convenção que lançou a candidatura do deputado Jair Bolsonaro, fez duras críticas à imprensa e ao 'centrão' que, segundo ele, está unido para reunir, em um só núcleo, "todos aqueles que precisam de proteção contra as barras da lei". 


Assista: 



Tratando, inicialmente, da impossibilidade de ser candidato na chapa do deputado, o General Heleno criticou a imprensa que noticiou que ele teria recusado o convite: "uma parte da imprensa, além de ser especialista em fake news, se especializou em lixo news, e fabricaram uma história de que eu havia recusado ser vice-presidente na chapa do Bolsonaro. Isso é uma calúnia, eu jamais disse isso. Desde o primeiro momento eu disse que não havia uma decisão, que eu encarava aquilo como uma missão a ser cumprida, e eu nunca fugi de missão. Então, isto é uma mentira".

Leia também: 

Janaína Paschoal pede união em torno de linhas-mestras: valorização da vida, proteção da juventude, e enfrentamento da criminalidade; assista
Temer vai ao México, Cármen Lúcia assume a Presidência, e Toffoli é o presidente de plantão no STF

O general criticou a participação da presidente deposta Dilma e da senadora Gleisi Hoffmann na reunião do Foro de São Paulo: "tivemos o desprazer de assistir à cena, vergonhosa de ver, personalidades do Estado brasileiro, uma senadora indiciada e uma ex-presidente da república comparecerem ao Foro de São Paulo em Havana e se intitularem representantes do Estado brasileiro. Cometeram um ato falho de uma burrice sem tamanho, porque ali ficou espelhado e caracterizado a convicção ideológica que as acompanha a vida inteira. A senhora Rousseff foi militante armada. O primeiro passo é ser militante armada; o segundo passo é realizar atos terroristas, e ela realizou. Daí para baixo é desqualificar, né? Ser terrorista, chegou no auge da bandidagem. E vivia se apregoando como defensora da democracia. Então isso é mais uma calhordice. E eles bobearam, colocaram isso para o povo brasileiro acreditar. Será que ainda tem gente que, em pleno gozo de suas faculdades mentais, ainda acredita que essa gente está aplicando democracia? Que democracia? A democracia cubana? A democracia venezuelana? Isso é debochar da inteligência do povo brasileiro. Eu não acredito que pessoas com  um mínimo de discernimento continuem a acreditar nessa balela". 

"Um outro ponto que está dentro desse contexto é caracterizar o "isolamento" de Bolsonaro", prosseguiu o general. "Por que isolamento? Está aí, também, devidamente configurado o porquê do isolamento. Porque querem reunir todos aqueles que precisam escapar das barras da lei em um só núcleo. Quanto maior melhor, mais eles vão se proteger. E daí surgiu esse 'Centrão'. O Centrão é também a materialização da impunidade. Vai lutar pela impunidade, vai apresentar um programa de governo cheio de mentiras. Programa de governo tem que ser uma coisa com o pé no chão, realista, factível". 

O general fez um alerta: "Isto aí é a história de cobertura da impunidade. O primeiro ato do presidente que for eleito carimbado de 'Centrão' vai ser uma anistia ampla, geral e irrestrita. Vai ser o indulto de todos os que estão envolvidos na Lava Jato e em todos os processos. Não tenham dúvida disso". 

Veja também:







Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...