quinta-feira, 26 de julho de 2018

Jair Bolsonaro terá reunião definitiva com Janaina Paschoal na segunda-feira


Imagem: Reprodução / Veja
O pré-candidato a presidente pelo PSL, Jair Bolsonaro, ainda tem esperança de fechar com a advogada Janaina Paschoal para que ela seja sua candidata a vice.

Bolsonaro explicou ao Poder360: “Eu pedi a Janaina Paschoal em casamento, quer dizer, para ser a minha vice. E quando isso acontece é necessário esperar a noiva dizer sim ou não. É natural. Nós temos marcada uma conversa na 2ª feira [30 de julho], em São Paulo. Aí vamos saber”.

Leia também: 
Executiva do DEM aprova apoio à pré-candidatura de Alckmin à Presidência

O candidato fez outras análises sobre o cenário eleitoral, resumidas a seguir (depois de terem sido publicadas ontem, 25.jul.2018, com exclusividade pela newsletter Drive):

UMA VICE QUE DISCORDA
“O discurso dela na convenção do PSL foi nota 8,5 ou 9. Muito bom. Quando ela falou que tem algumas discordâncias, eu achei muito bom. Ela foi sincera. A gente tem de ter sinceridade na política. A Janaina agrega muito eleitoralmente, pois é mais uma blindagem no tocante à corrupção”.

ÚLTIMO A IR AO RODA VIVA
“Eu pedi para ser o último a ser entrevistado no Roda Viva [programa de entrevista da TV Cultura]. Eu sabia que poderia ser muito atacado pelos demais, então queria ficar por último para poder responder. Vai ser na 2ª feira [30.jul.2018]. Eu já terei falado com a Janaina. Quem sabe posso anunciar algo importante?”.

RESISTÊNCIA DE JANAINA
“Ela me falou muito sobre a família. É casada e tem filhos. Tem dúvidas sobre como seria sua rotina se tiver de vir para Brasília. Se ela preferir ser candidata a deputada estadual em São Paulo também vai ser ótimo, pois terá uma grande votação. E, além disso, temos também algumas divergências –mas acho que tudo dá para ser conversado”.

COTAS PARA MINORIAS
“A Janaina é a favor das cotas. Eu sou contra. Mas vamos dizer que as cotas em universidades sejam ‘X’. Será que não podemos chegar a um meio termo? Por exemplo, ‘X/2’? Nós vamos conversar e acho que é possível chegar a um consenso”.

MAIORIDADE PENAL
“Outra coisa: eu sou favorável a reduzir a maioridade penal para 16 anos. A Janaina já disse que poderia talvez considerar apenas para alguns crimes, mas não para todos. Nesse caso eu também aceito discutir. Prefiro então, vamos dizer, propor reduzir para 17 anos –em vez de ficar esperando para sempre que baixem para 16 anos. Mas sempre é importante dizer que isso será uma proposta e que a decisão será do Congresso”.

O PAPEL DO VICE-PRESIDENTE
“A Janaina quer saber de fato qual seria o papel dela no nosso governo. É legítima essa preocupação. Vamos dizer que ela queira ser, por hipótese, ministra da Educação. Eu acharia ótimo. O vice-presidente José Alencar foi ministro da Defesa do Lula. Não vejo problema nenhum nisso. Temos de conversar e ela vai me dizer o que desejaria fazer no governo. Acho que a Janaina terá de ter um papel relevante. Ela será uma subcomandante e terá importância na administração”.

REAÇÃO DE SEGUIDORES A JANAINA
“É natural que alguns dos nossos tenham se incomodado com algumas críticas da Janaina. Não tem problema. O Olavo de Carvalho reclamou e é bom que ele reclame. Eu gosto de ouvir as críticas. Mas eu acho que temos de entender que não é possível ter alguém perfeito para esse ou para aquele cargo. Estamos dialogando e acho que a Janaina Paschoal agregaria muito eleitoralmente para a chapa”.

DEBATES ENTRE CANDIDATOS
“Minha intenção é ir a todos os debates. Espero poder falar sobre o que importa. Não vejo necessidade de ficar falando sobre questões muito técnicas, temas que são distantes da população –por exemplo o que esse ou aquele candidato acha da exploração de determinado setor específico da economia ou implicação que isso tem com um determinado país. O que as pessoas querem saber é se o Estado brasileiro vai deixar as pessoas empreenderem livremente, se o Brasil vai crescer”.

POR QUE NÃO SE ALIOU AO PR?
“Foi muito simples. Eu queria que o [senador] Magno Malta fosse o meu candidato a vice-presidente. O PR então exigiu que fizéssemos uma aliança nas eleições proporcionais no Distrito Federal, Rio e São Paulo. Ocorre que eles terão candidatos muito fortes, com muitos recursos. Isso prejudicaria nossos planos de eleger até 10 deputados no Rio e em São Paulo. Aí tudo se inviabilizou e acabou a possibilidade de ter o PR”.

COTAS PARA EX-PRESIDIÁRIOS
“Eu não critico nem vou criticar a presidente do Supremo, a ministra Cármen Lúcia. Mas postei no meu Facebook. Achei que foi uma decisão ruim [o decreto que obriga empresas que prestam serviços ao governo a contratar ex-presidiários]. Nós todos conhecemos 1, 2 ou 3 desempregados. Aí vamos ter de reservar vagas para para ex-detentos? Eu escrevi lá no Facebook: ‘Imagine o empresário encontrar no pátio da sua fábrica quem um dia o assaltou ou violentou sua filha?’. O que eu acho importante é que o presidente da República se preocupe com as pessoas de bem e em fazer o Brasil crescer”.

Veja também:





Poder360
Editado por Política na Rede  
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...