quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Gilmar Mendes manda soltar ex-presidente do banco Prosper preso na Lava Jato


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou nesta quarta-feira (5) soltar Edson Figueiredo Menezes, ex-presidente do banco Prosper e ex-presidente da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro.

Menezes foi preso no mês passado pela Polícia Federal na Operação Golias, um desdobramento da Lava Jato no Rio.

Leia também: 

Ele é investigado por suposta propina para ser beneficiado no processo de licitação da administração da folha de pagamento do estado.

Ao mandar soltar o ex-presidente do banco Prosper, Gilmar Mendes determinou as seguintes medidas cautelares:


  • Proibição de manter contato com outros investigados;
  • Proibição de deixar o país;
  • Entrega do passaporte em até 48 horas.


Edeson Figueiredo Menezes foi o 37º investigado na Lava Jato do Rio que chegou a ser preso, mas depois foi solto por decisão de Gilmar Mendes.

No Rio, os processos da Lava Jato são analisado pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal. Gilmar Mendes é o relator dos processos no STF.

O caso

Ao pedir para Menezes ser solto, a defesa argumentou no recurso que os fatos são antigos e ocorreram entre 2008 e 2009.

Ao analisar o caso, Gilmar Mendes considerou que a motivação do juiz para determinar a prisão não foi suficiente.

Mendes criticou, então, o que chamou de "fragilidade de fundamentação adotada pelos juízes de primeiro grau para a decretação de prisões preventivas, especialmente nos chamados crimes de colarinho branco".

O ministro destacou, também, que "ninguém questiona" que a corrupção é nociva para a sociedade, mas disse que isso pode ser combatido sem desrespeitar o direito à presunção da inocência.

Gilmar acrescentou, também, que o juiz precisa demonstrar a necessidade, de forma concreta, da prisão preventiva (decretada antes de condenação).

"Os fatos imputados ao paciente teriam sido praticados sem violência ou grave ameaça e seriam consideravelmente distantes no tempo da decretação da prisão, haja vista que teriam acontecido em 2008 e 2009", afirmou o ministro.

Veja também:




Mariana Oliveira
G1
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...