quinta-feira, 11 de outubro de 2018

'Haddad seria um governo Dilma 2, piorado' diz Kátia Abreu


Imagem: Givaldo Barbosa / Ag. O Globo
Candidata a vice na chapa do presidenciável do PDT, Ciro Gomes, a senadora Kátia Abreu (PDT-TO) decidiu não seguir a decisão do partido de apoiar Fernando Haddad (PT) no segundo turno. Para Kátia, as urnas do último domingo mostraram que o PT “está ferido de morte”, sem “projeto para o país”. Com seu maior líder preso e sua ex-mandatária ainda sob o frescor do impeachment, diz a senadora, o petismo decidiu participar da eleição por “medo de perder a hegemonia”. “Se o projeto de Brasil fosse mais importante, eles tinham apoiado outra pessoa. Que paixão é essa pela democracia? Tem não. É pelo partido”, diz.   


Leia também: 

Em entrevista ao jornal O Globo, a senadora afirma que Haddad seria, no Palácio do Planalto, um "governo Dilma 2 piorado", porque, a exemplo da ex-presidente Dilma Rousseff , não teria apoio para governar. Ela também revela o relato feito pelo deputado federal eleito Túlio Gadelha, namorado de Fátima Bernardes, durante a reunião da Executiva Nacional do PDT, nesta quarta-feira. Segundo Kátia, Túlio contou aos pedetistas que teve uma conversa com Haddad, no início da pré-campanha, e perguntou ao petista por que o PT não declarava apoio à candidatura presidencial de Ciro Gomes. Segundo a senadora, Túlio disse ter ouvido de Haddad uma resposta reveladora. "Foi a única coisa até hoje que eu pedi ao Lula. E ele não me atendeu", teria dito Haddad ao pedetista. A seguir, os principais trechos da conversa: 

A senhora já disse que vai votar em nulo ou branco. Por quê?
Desde o início da campanha, estou dizendo – e não quero mudar de discurso – que o PT não poderia ter empreendido essa batalha agora. O PT tem militância, tem sua história, mas está ferido, ferido de morte. E não sou eu que estou dizendo. É o resultado das urnas. O impeachment foi ontem. As feridas estão muito abertas. O Lula está preso. O clima está péssimo para o PT. Nem projeto eles conseguiram construir. Qual é o projeto do PT? A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, foi absolvida no Supremo um dia desses, até por merecimento, não estou acusando. Mas há fragilidade.

A senhora se refere ao atual candidato petista?
O Haddad, eu não vou dizer que não seria um ótimo ministro da Educação, mas daí a ser Presidente da República? Foi prefeito de São Paulo, mas não foi aprovado pela população. Aí sobrou no PT o Haddad e o Jaques Wagner. O Jaques recusou. Então, o medo de perder a hegemonia não mede as consequências. Se o projeto de Brasil fosse mais importante, eles tinham apoiado uma outra pessoa. Que paixão é essa pela democracia? Tem não. É pelo partido.

Antes do período eleitoral, o Haddad chegou a propor ser vice do Ciro? 
Isso só passou pela cabeça de Haddad. Foi o que escutei ontem (quarta-feira) do namorado da Fátima Bernardes (Túlio Gadelha, eleito deputado federal por Pernambuco). Ele não me contou em segredo, foi na reunião do partido, todo mundo ouviu. Que, lá atrás, ele (Túlio) perguntou ao Haddad: "Por que você não se alia ao Ciro? O PT não tem condições de ter candidato agora". O Haddad respondeu: "Foi a única coisa até hoje que eu pedi ao Lula. E ele não me atendeu". Não quis apoiar o Ciro Gomes. Isso antes de o Haddad virar o vice de Lula, que depois virou o candidato oficial do PT.

A senhora acredita que o Brasil pode virar uma Venezuela com a vitória do PT?
Não conseguiria governar. Não teria maioria na Câmara. Ia ter enfrentamento no interior do país. Haddad seria um governo Dilma 2, piorado. O que piorou a vida da Dilma foi o vice fazer a conspiração. No caso do Haddad, não seria esse o problema. Não teria maioria. Esse negócio de Venezuela é um exagero. Só acho que não vão governar. Nestes últimos anos, já tem bastante tempo que não temos projeto de país.

O que o PT prometeu em troca do apoio do PDT no segundo turno?
Tudo o que já saiu até agora é mentira. É inflado pelo próprio PT. Eu fui vice do Ciro, fui do núcleo. O Ciro viajou para o exterior. Esse pessoal não tem projeto. O projeto deles é um projeto rancoroso, para vingar o impeachment. Eu lutei contra o impeachment, não era mais fácil eu ficar lá perto do PT? Mas as coisas não são assim, não. A gente tem que ter responsabilidade. Eu não apoiei o PT no impeachment. Eu apoiei a Dilma. Lutei pela democracia, porque aquilo não se faz. 

O que senhora achou do fato de a campanha do PT começar a usar as cores verde e amarelo para se contrapor a Bolsonaro?
Nunca é tarde para poder fazer a coisa certa. A nossa bandeira maior é a do Brasil.

O Ciro disse na campanha que o PT tem um projeto de vingança. Isso muda no segundo turno?
Essa tentativa insana de colocar um candidato a qualquer preço e a qualquer custo, dois anos depois do impeachment, é vingança, ressentimento, rancor, pode falar o que quiser. Isso só pode ser uma sandice, não é uma coisa iluminada. 

Para a senhora, o que significa a derrota de Dilma Rousseff em Minas?
Consequência dos problemas do PT. Foi uma decepção. Acho que ela desempenharia um bom papel no Senado. Já estava sendo articulado para que ela fosse para a Comissão de Relações Exteriores. Mas a Dilma foi vítima do discurso da esquerda na campanha. A postura do PT significou uma afronta para a sociedade. Cutucaram a onça com vara curta. Ela foi vítima da onda antipetista.

Veja também:




Bruno Góes
O Globo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...